Sem esquecer a assinatura

JOGO FINAL - Tiago Fernandes obteve dois resultados que farão dele uma reserva do leão

O Sporting saiu do Emirates com honra, um ponto e uma importante injeção de confiança. Em termos práticos, não interessa muito discutir se fez apenas uma parte do trabalho, a defensiva, porque sair vivo de Londres era o mais importante para os leões neste princípio de época conturbado. O apuramento para as rondas a eliminar está praticamente garantido e esse era o projeto imediato.

A vitória sofrida nos Açores e o empate espremido em Londres modificam o estado de espírito de jogadores que desde o primeiro dia parecem à deriva e elevam o interino Tiago Fernandes ao papel de reserva técnica dos leões. As exibições não melhoraram por aí além, mas a equipa lutou e nas duas das três aparições previstas para o exercício do treinador de transição resultaram como proveitosas para os registos estatísticos.

Tiago Fernandes tem transmitido a ideia de que estava preparado para assumir o comando. Conhecia o grupo e tinha ideias para modificar não só o onze como, mais significativo ainda!, a forma de jogar. Ou seja, mesmo sabendo-se a prazo fez questão de assinar a intervenção. A passagem para 4x4x2, a aparição de Lumor no onze frente ao Santa Clara, a surpreendente titularidade de Miguel Luís, estreado quatro dias antes mas só para ficar na história, já que entrou na compensação, foram decisões para assinalar. Se não sair do trilho no domingo, com o Chaves, ficará registado nas memórias. Caso o holandês não resulte, tem via livre para voltar. E discurso!