Premium Cristiano Ronaldo, o homem do saco

Cristiano Ronaldo, o homem do saco

Esta é uma história de golos, gente feliz e uns rapazolas atrevidos à anos 70.

Cristiano Ronaldo, o homem do saco, voltou ao ativo fazendo questão de que todo o mundo desse conta. Esteve lesionado, em dúvida só para quem ainda não percebeu a fibra de que é feito, apareceu em campo a titular e, como de costume, ainda mais na Champions, inclinou a tabuleiro da eliminatória para o lado dele, que esta época beneficia a Juventus. Há muito se diz ser complicado encontrar adjetivos para dizer ou escrever sobre ele. E não são precisos, porque golo é substantivo.

Ver jogar este Ajax é um encanto, a miudagem tem um andamento incrível, os mais velhos que os controlam uma qualidade superlativa, nem uns nem outros são impressionáveis, mas há fatores difíceis de combater. Cristiano Ronaldo será o pior de todos. Bastou um lance, uma oportunidade, e a amassada Juventus ficou pronta a sair de Amesterdão em modo festivo. Não pode é afirmar-se que o destino da eliminatória está traçado porque esta equipa holandesa honra o nome do histórico que se fez grande e revolucionário na década de 1970, como tão bem se viu na ronda anterior em casa do Real Madrid. Depois de perder em casa (1-2), venceu 4-1 no Santiago Bernabéu. É obra!