A Champions embebeda

Carlos Machado

Tópicos

O Sporting entrou em Moreira de Cónegos com ar de frete e a dar o incerto por garantido. Descolou da liderança antes de receber o FC Porto.

Num tempo de discussões orçamentais, assimetrias e clivagens, a Liga dos Campeões passou por Moreira de Cónegos, deixou os locais com um sorriso nos lábios e até a pensar que poderia ter corrido melhor. Na quarta-feira o Sporting recebe o Barcelona e em Alvalade todos esperam por uma noite memorável, mas os jogadores começaram a pensar nela cedo de mais. Jorge Jesus garantiu ter passado a mensagem certa, mas no Parque Comendador Joaquim de Almeida Freitas viu-se uma equipa aburguesada, petulante, a estender-se pelo campo com ar de enfado, como quem faz um frete à espera do grande compromisso. O confronto com o Moreirense foi encarado como uma vitória certa, estava tudo garantido, menos a concentração exigida por um adversário assumidamente modesto mas lutador em todas as horas.Ao intervalo, quando o treinador fez soar o alarme, a desvantagem de um golo continuou a não assustar. O Sporting apertou mais, chegou ao empate e só na parte final carregou a sério sobre a baliza adversária. Pelo caminho ficaram dois pontos e o FC Porto a sorrir uma semana antes de visitar Alvalade. Mas Jesus também não vai pensar nisso para já. Antes tem um importante jogo com o Barcelona! A Champions é fantástica, o sonho maior do futebol de clubes, provoca um desgaste físico e emocional tremendo, mas também embebeda. Tenho para mim que é o hino. Arrepia, entranha-se, perturba e vicia. O Sporting caiu num grupo levado da breca e já ganhou em Atenas, a seguir vai levar com os (efetivamente) grandes, mas deixou-se inebriar antes do tempo. Acontece! Ao contrário do Sporting, o Benfica não podia permitir-se distrações, pelo que o foco foi um só: sacudir o mau momento e olhar para a frente. A pressão posta pelo FC Porto estava lá, na ideia de todos, mas o resultado de Moreira de Cónegos terá ajudado um bocadinho.