Premium A muçulmana que não quer cumprir as regras

A muçulmana que não quer cumprir as regras

Poderemos discutir se uma questão de cores se deve sobrepor a razões médicas, mas a verdade é que a notícia deixara de o ser à nascença: o árbitro tinha feito cumprir o regulamento, ponto final

Há dois anos alertaram-me para uma possível notícia: num jogo de andebol, o árbitro não tinha permitido a um jogador continuar em campo usando a sua habitual manga de compressão (ou manguito, como dizem na modalidade); como ele a tinha por razões médicas - e eu sabia do terrível acidente que havia sofrido no braço direito -, acabou por não jogar. A situação seria tão grave quanto estranha, pois os "manguitos" são comuns nas modalidades de pavilhão, mas quando a investiguei percebi que em causa estava a cor, que o regulamento obriga a ser igual à do equipamento.

Poderemos discutir se uma questão de cores se deve sobrepor a razões médicas, mas a verdade é que a notícia deixara de o ser à nascença: o árbitro tinha feito cumprir o regulamento, ponto final. E na semana seguinte o jogador já tinha um "manguito" da cor correta, portanto voltou a jogar.