Estranha sensação de normalidade no ar

Estranha sensação de normalidade no ar
António Barroso

Tópicos

FC Porto, Benfica e Sporting ganharam, a FPF passou para a liderança do processo do público nos estádios, tudo normal...

Há uma estranha sensação de normalidade no ar. É verdade que o regresso às rotinas pré-covid a potenciam. Já há festança nas ruas, mas não é só em Santos que isso acontece, embora pareça. E se parece mas não é, é algo normal, no sentido de que é hábito confundir-se usos e costumes de uma região mais mediática com o todo nacional. E tem piada: quem lê oráculos de televisão está obrigado a saber que Santos é em Lisboa. Até isso é normal, partir do princípio de que as pessoas de Santiago de Subarrifana têm de saber onde é Santos. Já agora, não sabem onde fica Santiago de Subarrifana? Se num oráculo de televisão não tivesse outro nome à frente, é porque era na capital do Império, essa espécie de norma que nunca ninguém sufragou. Mas eu digo já onde é, porque sou do tempo em que um profissional de informação tinha que perceber de técnicas de comunicação que respeitassem tudo e todos: é uma localidade em Penafiel.

E o que tem isto a ver com Desporto? Nada, era só para gerar tese ad hoc sobre a normalidade recuperada, ou em vias disso (se soubessem quanto detesto a expressão "nova normalidade"...). Porque, reparem, com mais ou menos dificuldade, os três de sempre - FC Porto, Benfica e Sporting - ganharam na I Liga, não houve grandes novidades no restante futebol caseiro e até lá fora uma derrota em casa do Manchester United diante do mais modesto Aston Villa, mesmo com Ronaldo em campo, não chega para surpreender ingleses. O outono chegou, os Portugueses estão massivamente vacinados e a Federação Portuguesa de Futebol, logo após o anúncio da terceira fase de desconfinamento, solicitou oficialmente à Direção-Geral de Saúde o fim do limite das lotações no estádios. Lá está, nada de novo, portanto, com a FPF a liderar processos... Normalidades recuperadas. Que me lembre, porém, esta foi a primeira vez que a Liga perdeu o comando operacional na questão do público nos estádios.