Premium Toda a verdade (e também toda a mentira) sobre o processo e-Toupeira

Toda a verdade (e também toda a mentira) sobre o processo e-Toupeira
Álvaro Magalhães

Tópicos

Visto do sofá - O Benfica, ao contrário do que aconteceu com a equipa de futebol, acertou em cheio nos reforços para a equipa jurídica

Quando um advogado moribundo pede a Bíblia, diz a anedota que não é por se ter convertido, é para procurar brechas nas leis sagradas, em busca da salvação. E se um advogado arguto, digo eu, é capaz de encontrar umas tantas brechas numa acusação do Ministério Público, três advogados ainda mais argutos encontram muitas mais, ao ponto de serem capazes de sacudir nada menos do que 30 acusações.

Já estão a ver onde o cronista quer chegar? Sim, quer chegar à estranha ilibação da SAD do Benfica no processo e-Toupeira, mais um daqueles casos em que ganharam os mais dotados tecnicamente, não os que estavam do lado da verdade. Também aqueles três craques do Direito (e até do menos direito, depende de quem lhes paga) que o Benfica contratou procuraram - e encontraram - a solução para este caso na leitura da Bíblia, mais exactamente naquela parte em que Arão, o sumo sacerdote, coloca as mãos sobre a cabeça do bode expiatório e confessa os pecados do povo, transferindo simbolicamente esses pecados para o animal, que, depois, é solto no deserto, levando para longe todas as iniquidades dos homens (Levítico 16:21-22).