Presidente da IAAF defende que canábis deve deixar de ser substância proibida

Presidente da IAAF defende que canábis deve deixar de ser substância proibida
Redação

Tópicos

Sebastian Coe juntou ao coro de defensores da medida que defende a revisão como sensata e que "deve ser feita".

O ponto de partida da conversa foi o caso da velocista norte-americana Sha'Carri Richardson, que ficou de fora de Tóquio'2020 após um controlo anti-doping ter detatado o uso de uma substância. Foi neste ponto que o presidente da World Athletics (ex-IAAF), britânico Sebastian Coe, defendeu a revisão da proibição da canabis na lista de substâncias proibidas.

Segundo a agência de notícias Reuters, Coe juntou ao coro de defensores da medida que defende a revisão como sensata e que "deve ser feita". Sobre Richardson, lamentou a ausência em Tóquio, mas ressaltou que as regras atuais foram interpretadas corretamente. "Sinto muito por ela e que tenhamos perdido um talento notável"

Sha'Carri Richardson foi apanhada por uso de canábis nas provas de seleção dos Estados Unidos, no final de junho, o que invalidou a participação na prova olímpica dos 100 metros. Richardson tem a sexta melhor marca da história na prova e era uma das favoritas ao ouro em Tóquio.

O tetrahidrocanabinol (THC), principal substância encontrada em plantas do género canábis é classificado como "substância de abuso" pelo Código Mundial Antidopagem em vigor. Atletas podem enfrentar uma suspensão de três meses. A punição de Richardson foi de apenas um mês após ela concordar em participar num programa de tratamento.