Portugal volta a ganhar mais do que uma medalha em Jogos Olímpicos após 13 anos

Portugal volta a ganhar mais do que uma medalha em Jogos Olímpicos após 13 anos
Redação com Lusa

Tópicos

Desde os Jogos Olímpicos Pequim'2008, em que Nelson Évora se consagrou como quarto, e último, campeão olímpico luso, no triplo salto este domingo honrado por Mamona, e Vanessa Fernandes conquistou prata no triatlo, que Portugal não via múltiplos medalhados numa mesma edição.

A prata de Patrícia Mamona no triplo salto juntou-se hoje ao bronze de Jorge Fonseca no judo, com o "bis" em Tóquio'2020 a pôr fim a uma espera de 13 anos por mais que uma medalha para Portugal.

Desde os Jogos Olímpicos Pequim'2008, em que Nelson Évora se consagrou como quarto, e último, campeão olímpico luso, no triplo salto este domingo honrado por Mamona, e Vanessa Fernandes conquistou prata no triatlo, que Portugal não via múltiplos medalhados numa mesma edição.

Na capital nipónica, o primeiro a chegar ao pódio foi Jorge Fonseca, conseguindo a terceira medalha para o judo, depois de Nuno Delgado e Telma Monteiro, com a atleta lisboeta a conseguir hoje a prata com um salto de 15,01 metros, novo recorde nacional.

Portugal vinha de dois Jogos com apenas um "metal": a prata em Londres'2012 dos canoístas Emanuel Silva e Fernando Pimenta, primeiro, e o bronze de Telma Monteiro no Rio'2016, depois.

De resto, o "bis" permite cumprir o estipulado no contrato-programa entre o Comité Olímpico de Portugal (COP) e o Governo, pelo menos no que a pódios diz respeito, já que estavam contratualizados precisamente dois.

Antes, Atenas'2004 tinha rendido três medalhas, segundo e último hat trick da comitiva portuguesa.

Sérgio Paulinho pasmava o mundo do ciclismo com a prata na prova de fundo de estrada, enquanto Francis Obikwelu se estabeleceu como um dos homens mais rápidos de sempre nos 100 metros, com uma prata arrancada "a ferros", e a nação pôde ainda "sofrer" com Rui Silva até ao bronze nos 1.500 metros.

Antes disso, Los Angeles'1984 trouxeram o primeiro ouro da história nacional em Jogos, na maratona vitoriosa de Carlos Lopes, com António Leitão, nos 5.000 metros, e Rosa Mota, na maratona, a conseguirem bronze, na única outra vez em que foram conseguidos três "metais".

Depois de um primeiro "bis" em Londres'1948, Portugal "habituou-se" a pelo menos duas medalhas no período entre Atlanta'1996 e Pequim'2008: o ouro de Fernanda Ribeiro (10.000 metros) e o bronze de Vítor Hugo Rocha e Nuno Barreto, no 470, lançaram a tendência.

Seguiram-se dois bronzes em Sydney'2000, por Fernanda Ribeiro e Nuno Delgado (judo), o hat trick do berço dos Jogos e as duas da capital chinesa, um hábito agora retomado, sendo que mais medalhas estão ainda no horizonte luso.