"Não queremos esperar mais três anos para um bom resultado para Portugal"

"Não queremos esperar mais três anos para um bom resultado para Portugal"
Redação com Lusa

Tópicos

Portugal inicia domingo a sua prova por equipas em ténis de mesa frente ao campeão da Europa e segunda equipa do ranking mundial, atrás da China.

O sucesso dos mesatenistas da Alemanha na prova individual em Tóquio'2020 pode ajudar Portugal no "difícil" embate de equipas dos oitavos de final dos Jogos Olímpicos, considerou esta quinta-feira Marcos Freitas.

"A Alemanha, que tem atletas a lutar pelas medalhas, vai estar mais cansada do que nós, que já terminámos há uns dias as nossas provas. Se vai fazer a diferença? Não sei. Importante é estarmos preparados", vincou o atleta luso, em conferência de imprensa na Aldeia Olímpica.

Portugal inicia domingo a sua prova frente ao campeão da Europa e segunda equipa do ranking mundial, atrás da China.

"Todas as seleções são muito fortes e vão dar tudo por tudo, mas não queremos esperar mais três anos para um bom resultado para Portugal", disse o madeirense.

Em termos olímpicos, destaca-se o quinto posto luso em Londres'2012 em formação com Tiago Apolónia e João Monteiro, que continuam os seus companheiros de equipa.

Marcos Freitas, de 34 anos, entende que os portugueses tiveram um "mapa" muito difícil na prova singulares - foi afastado pelo chinês Fan Zhendong, líder do "ranking" mundial, acabando em nono lugar -, ainda assim destaca os "bons momentos" que teve, tal como Tiago Apolónia.

"A Alemanha é a segunda melhor seleção do mundo. Não somos favoritos, mas já lhes ganhámos em 2014 na final do Europeu em Lisboa", recorda o mesatenista, que já foi vice-campeão da Europa por equipas, com o ouro a pender para os germânicos.