EUA vingam-se no modesto Irão do desaire face à França no basquetebol

EUA vingam-se no modesto Irão do desaire face à França no basquetebol
Redação com Lusa

Tópicos

Damian Lillard, com 21 pontos, provenientes de sete triplos, liderou os norte-americanos, que já venciam ao intervalo por 60-30 e não encontraram resistência no conjunto asiático, já derrotado na estreia pela República Checa (78-84)

Os Estados Unidos, tricampeões em título, vingaram-se esta quarta-feira no modesto Irão (120-66) do desaire sofrido na estreia face à França (76-83), num jogo sem história da segunda jornada do Grupo A do torneio de basquetebol.

Damian Lillard, com 21 pontos, provenientes de sete triplos, liderou os norte-americanos, que já venciam ao intervalo por 60-30 e não encontraram resistência no conjunto asiático, já derrotado na estreia pela República Checa (78-84).

Na formação comandada por Gregg Popovich, que marcou 19 triplos, em 39 tentados, e só cometeu seis turnovers, contra 23 do adversário, destaque ainda para 13 pontos, oito assistências e quatro ressaltos de Zach Lavine.

Por seu lado, o "gigante" Hamed Haddadi, com 15 pontos e seis ressaltos, foi o melhor no Irão.

A formação iraniana, liderada por Haddadi, ainda conseguiu liderar nos primeiros instantes (2-0, 4-3 e 7-5), mas os norte-americanos começaram a acertar nos tiros exteriores e fecharam o primeiro parcial a vencer por 28-12.

De orgulho ferido, os norte-americanos não desaceleraram e chegaram rapidamente a 30 pontos de vantagem (47-17), a mesma com que atingiram o intervalo (60-30), com 13 "triplos" marcados, em 21 tentados, seis de Damian Lillard, que "virou" com 18 pontos.

O terceiro período só acentuou diferenças, com o cinco de Gregg Popovich a continuar letal nos lançamentos e no contra-ataque, o que lhe valeu atingir os 30 minutos já a ganhar por 39 pontos (82-43), depois de um parcial de 22-13.

Perante tanta facilidade, os norte-americanos acabaram mesmo por baixar o nível no quarto parcial, mas, ainda assim, ultrapassaram os 50 pontos de diferença, na "ressaca" de uma pesada derrota na estreia.