Vacinação contra a covid-19 gera várias polémicas no Open da Austrália

Vacinação contra a covid-19 gera várias polémicas no Open da Austrália
Redação

Tópicos

Há contradições entre organizadores e Governo, contestação de adeptos e apanha-bolas e ainda falta o debate sobre os quartos de luxo para as quarentenas.

O Open da Austrália continua sem ter a certeza de que poderá contar com tenistas não vacinados.

Após meses de especulação, o ministro da imigração da Austrália, Alex Hawke, afirmou que os atletas precisam de tomar duas doses da vacina para entrar no país. Contudo, dias depois um email da WTA disse às jogadoras que as não vacinadas seriam bem-vindas, se estivessem preparadas para enfrentar uma quarentena de 14 dias.

Além das contradições com as declarações do Governo, a prova enfrenta já o descontentamento de apanha-bolas, adeptos e árbitros, que necessitam de uma prova de vacinação para poderem entrar no Melbourne Park.

Outro eventual problema poderá surgir com os alojamentos que estão a ser preparados para estrelas como o sérvio Novak Djokovic - o líder mundial recusa-se a dizer se já foi vacinado -, que serão rodeadas de luxo para suportarem os 14 dias de isolamento, enquanto australianos que entrem no seu país sem vacina são colocados em quartos de hotel espartanos.