Taça Davis: Suécia, Croácia e França arrancam a ganhar

Taça Davis: Suécia, Croácia e França arrancam a ganhar
Redação com Lusa

Tópicos

Dia ficou ainda marcado pelo teste positivo ao espanhol Carlos Alcaraz, que desfalca a sua seleção

As seleções da Suécia, da Croácia e da França estrearam-se hoje com vitórias nas Finais da Taça Davis em ténis, que estão a decorrer em simultâneo em Madrid, Innsbruck, na Áustria, e Turim, em Itália.

A seleção sueca conquistou, na capital espanhola, o primeiro ponto da eliminatória frente ao Canadá, graças ao triunfo de Elias Ymer diante Steven Diez, por 6-4 e 6-2, antes do irmão Mikael Ymer seguir as suas pisadas ante o vice-campeão de 2019, Vasek Pospisil, por duplo 6-4.

Depois do domínio nos dois encontros de singulares, referentes ao Grupo B, os nórdicos Andre Goransson e Robert Lindstedt ainda superaram Pospisil e Brayden Schnur, do Canadá, desfalcado dos seus melhores jogadores, Denis Shapovalov e Felix Auger-Aliassime, em dois "sets", com os parciais de 7-6 (7-5) e 6-4.

Já na cidade italiana de Turim foi a Croácia a levar a melhor frente à Austrália, também por 3-0 e a garantir a liderança do Grupo D, que conta também com a seleção da Hungria.

Borna Gojo disputou o primeiro singular e bateu Alexei Popyrin, em dois parciais, por 7-6 (7-5) e 7-5, ao passo que Marin Cilic, campeão em 2018, ultrapassou em três renhidas partidas o australiano Alex De Minaur, por 6-1, 5-7 e 6-4.

No duelo de pares, os atuais líderes do "ranking" ATP Tour, Mate Pavic (1.º) e Nikola Mektic (2.º), derrotaram De Minaur e John Peers, por 6-3 e 6-1, e confirmaram o terceiro ponto no duelo de abertura no Pala Alpitour Arena, em Turim, onde vão jogar igualmente a Itália, Estados Unidos e a Colômbia, todas no Grupo E.

O desafio inaugural no Olympia-Halle, na Áustria, só ficou decidido no terceiro encontro e acabou com o triunfo da França sobre a República Checa, por 2-1, pontuável para o Grupo C, que inclui ainda a Grã-Bretanha.

Richard Gasquet perdeu com Tomas Machac pelos parciais de 7-6 (7-3) e 6-2, mas viu Adrian Mannarino repor a igualdade no marcador entre a equipa gaulesa e a congénere checa, ao impor-se a Jiri Vesely, por 7-6 (7-1), 4-6 e 6-2.

O ponto decisivo foi alcançado por Pierre-Hugues Herbert e Nicolas Mahut frente a Machac e Jiri Lehecka, ao cabo de três equilibradas partidas por 3-6, 6-4 e 6-3, ao fim de duas horas e cinco minutos.

O dia ficou ainda marcado pelo teste positivo ao espanhol Carlos Alcaraz, que assim desfalca a sua seleção.