Rafael Nadal: "Ao fim de três anos sem jogar aqui, é fantástico..."

Rafael Nadal: "Ao fim de três anos sem jogar aqui, é fantástico..."
Lusa

Tópicos

Wimbledon: Nadal domina e Kyrgios sofre para regressar aos quartos de final

Rafael Nadal prosseguiu tranquilamente a sua caminhada rumo aos quartos de final de Wimbledon, terceiro major da época, enquanto o australiano Nick Kyrgios sofreu para superar o norte-americano Brandon Nakashima no All England Club.

Rafael Nadal, segundo cabeça de série, mostrou estar a adaptar-se cada vez melhor à relva londrina e a ganhar maior ritmo no court central, onde hoje derrotou o neerlandês Botic van de Zandschulp em três sucessivos parciais, por 6-4, 6-2 e 7-6 (8-6), ao fim duas horas e 22 minutos.

O esquerdino de Manacor, quarto colocado no ranking ATP, não deu grandes hipóteses ao número 25 do mundo, a jogar pela primeira vez os oitavos de final do torneio britânico, e assegurou a qualificação para os quartos de final, pela oitava vez na carreira, no All England Club, onde não jogava desde a derrota nas meias-finais de 2019.

"Depois do que aconteceu nos últimos dois meses, conseguir chegar aos quartos de final de Wimbledon, ao fim de três anos sem jogar aqui, é fantástico para mim, por isso estou muito feliz", disse o espanhol, após elogiar a progressão de Botic van de Zandschulp no último ano.

Ultrapassado o 21.º pré-designado, o detentor de 22 títulos do Grand Slam vai agora medir forças com o jovem norte-americano Taylor Fritz, de 24 anos, responsável pela derrota do australiano Jason Kubler (99.º), com os parciais de 6-3, 6-1 e 6-4, e que o bateu na final do Masters 1.000 de Indian Wells.

"Ele está a jogar bem e a fazer uma temporada incrível. Aliás, ganhou o seu primeiro Masters 1 000 vencendo-me na final. Será um encontro duro, mas estou nos quartos de final de Wimbledon, que se pode esperar", lembrou Rafael Nadal, bicampeão do torneio britânico.

Já Nick Kyrgios, depois do encontro frente ao grego Stefanos Tsitsipas, que originou muita polémica, devido a algumas atitudes reprováveis, de ambas as partes, manteve-se no trilho das vitórias, desta feita diante o norte-americano Brandon Nakashima, que acabou eliminado em cinco sets, pelos parciais de 4-6, 6-4, 7-6 (7-2), 3-6 e 6-2.

Após um início de encontro pouco assertivo, condicionado por um problema no ombro direito, o número 40 do mundo conseguiu elevar o nível e, com 78 winners, 35 dos quais ases, face a 42 erros não forçados, superou o jovem adversário (56.ª ATP), de 20 anos, ao fim de três horas e 10 minutos a abrir a jornada no "court" central.

"Primeiro que tudo: que grande desempenho do Brandon. Apenas 20 anos e já joga assim. Foi muito perto de uma das minhas melhores exibições, mas lutei muito e estou super feliz por passar", reconheceu o australiano, de 27 anos.

Graças ao triunfo, o tenista de Camberra voltou, ao fim de sete anos, a integrar o lote de quartofinalistas de um torneio do Grand Slam, depois do Open da Austrália em 2015 e de atingir a mesma fase da prova na sua estreia em Wimbledon, em 2014.

O próximo desafio será com o chileno Christian Garin (43.º ATP), que nos oitavos de final recuperou de dois "sets" a zero e anulou dois pontos de encontro, para bater o australiano Alex de Minaur, 19.º cabeça de série, por 2-6, 5-7, 7-6 (7-3), 6-4 e 7-6 (10-6), agendando assim a estreia absoluta em quartos de final de um major. O vencedor desse duelo garante, pela primeira vez, a presença nas meias-finais de um torneio do Grand Slam.

Na competição feminina, no duelo mais aguardado da jornada, a romena Simona Halep mostrou-se mais forte e consistente que a espanhola Paula Badosa, número quatro na hierarquia WTA, e assegurou a passagem à fase seguinte, por 6-1 e 6-2, em apenas uma hora de encontro.

Após perder apenas três jogos, a campeã de Wimbledon de 2019, com um triunfo na final sobre Serena Williams, marcou encontro com a norte-americana Amanda Anisimova, 20.ª cabeça de série, que por sua vez derrotou a francesa Harmony Tan, por 6-2 e 6-3.

Quem também seguiu em frente no torneio foi Elena Rybakina, nascida na Rússia, mas naturalizada cazaque, com um triunfo ante a croata Petra Martic, por 7-5 e 6-3, e a australiana Ajla Tomljanovic, que aplicou os parciais vitoriosos de 4-6, 6-4 e 6-3 frente à francesa Alizé Cornet, afastando a responsável pela eliminação da número um mundial, Iga Swiatek, na ronda anterior.