Kyrgios rejeita US Open: "É altura de estar concentrado na saúde e segurança"

Kyrgios rejeita US Open: "É altura de estar concentrado na saúde e segurança"
Redação com Lusa

Tópicos

Tenista australiano anunciou que não iria participar no US Open devido à pandemia covid-19.

O tenista australiano Nick Kyrgios, número 40 do ranking mundial, anunciou este domingo que não vai participar no US Open, que vai decorrer entre 31 de agosto e 13 de setembro, devido à pandemia de covid-19.

"Não jogarei este ano no US Open. Custa-me muito, mas estou a tomar esta decisão pelas pessoas, pelos meus compatriotas, pelos milhares de norte-americanos que perderam a vida, por todos", refere o jogador numa mensagem nas redes sociais.

Nick Kyrgios, que já se tinha retirado do Masters 1000 de Cincinnati, segue os passos da sua compatriota Ashleigh Barty, que também já renunciou ao torneio norte-americano, o primeiro major de ténis da temporada.

"É altura de estar concentrado no que é importante, que é a saúde e a segurança", salientou o tenista, que fez algumas críticas a "jogadores egoístas".

Kyrgios explicou que nesta altura a "classificação mundial ou o dinheiro" não são importantes.

O US Open tem início agendado para 31 de agosto, sendo que, na semana antes e nas mesmas instalações, deverá ocorrer o Masters 1.000 de Cincinnati.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 680 mil mortos e infetou mais de 17,6 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (154.319) e também com mais casos de infeção confirmados (mais de 4,6 milhões).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.