João Sousa confessa após novo desaire: "Está a faltar-me alegria e força anímica"

João Sousa confessa após novo desaire: "Está a faltar-me alegria e força anímica"
Manuel Pérez

Tópicos

Vimaranense foi severamente batido esta terça-feira no Argentina Open, pelo indiano Sumit Nagal

Já não bastava o sério risco que corre de abandonar, pela primeira vez nos últimos sete anos e oito meses, o top 100 do ranking ATP, e eis João Sousa incapaz de elevar o nível competitivo, chegando mesmo a manifestar, em exclusivo a O JOGO, estar "sem alegria e força anímica".

Após perder na primeira ronda do Argentina Open, frente ao indiano Sumit Nagal (150.º mundial), por pesados 2-6 e 0-6, o vimaranense explicou o que lhe vai na alma: "Animicamente sinto-me bastante em baixo e a verdade é que vem sendo assim nos últimos tempos, mas mantendo uma grande vontade de mudar a agulha".

Longe do nível que apresentou até finais da temporada de 2019, antes de uma grave lesão e de outros problemas físicos, João Sousa (100.º do ranking) expressa o lamento de "estar a treinar bem, mas a competir mal" e sumaria as consequências desta série negra: "Está a faltar-me alegria e mais força anímica".

O minhoto ainda vai participar na variante de pares em Buenos Aires, antes de disputar o ATP250 de Santiago do Chile e, como acrescentou, continua a ir à luta: "Resta-me continuar a treinar e ir à procura dessa felicidade".

Por sua vez, Frederico Marques assume as responsabilidades, perante o facto de o seu protegido "estar claramente longe do nível exigido no ATP Tour, seja por motivos físicos, técnicos ou mentais, mas a realidade é essa".

"Pagam-me para fazer com que o João possa melhorar, tornar-se de novo competitivo, mas tal não está a acontecer e vamos reunir-nos no futuro...", concluiu o treinador, em jeito de mea culpa.