Open da Austrália: Serena e Djokovic acompanham João Sousa na terceira ronda

Open da Austrália: Serena e Djokovic acompanham João Sousa na terceira ronda

"Acho que consegui fazer um grandíssimo encontro", congratulou-se o número um português, que estará pela terceira vez nesta fase da prova.

A norte-americana Serena Williams, o sérvio Novak Djokovic e o português João Sousa garantiram, esta quinta-feira, o apuramento para a terceira ronda do Open da Austrália em ténis, primeiro "major" da temporada, que está a decorrer em Melbourne Park.

O vimaranense, 44.º colocado no ranking ATP, protagonizou uma longa e dura batalha para eliminar o alemão Philipp Kohlschreiber, 32.º, em cinco sets, pelos parciais de 7-5, 4-6, 7-6 (7-4), 5-7 e 6-4, em cerca de quatro horas e 30 minutos de um encontro que chegou a ser interrompido no terceiro set, por uma hora meia, e no último, devido à chuva.

"Acho que consegui fazer um grandíssimo encontro frente a um bom jogador. O nível de ambos foi elevado e notório. Consegui manter a intensidade e o nível elevado durante os cinco sets, que foram muito exigentes a nível físico, tático e mental", afirmou o número um português, após assegurar o regresso à terceira ronda do "major" da Ásia-Pacífico pela terceira vez, depois de 2015 e 2016.

João Sousa, que fez hoje 28 ases, estabelecendo assim um novo recorde na carreira, vai agora defrontar o japonês Kei Nishikori, oitavo pré-designado, após o triunfo deste frente ao croata Ivo Karlovic, por 6-3, 7-6 (8-6), 5-7, 5-7 e 7-6 (10-7), naquele que foi um dos embates mais disputados do dia. No único desafio entre os dois, João Sousa levou a melhor, mas Nishikori desistiu no primeiro set, em Tóquio, em 2016, devido a lesão.

Garantidos estão já 90 pontos, cerca de 135 mil euros em prémios monetários, ganhos só na competição de singulares, e o regresso do tenista português ao top 40 do ranking mundial.

Após os triunfos de Sousa, do alemão Alexander Zverev, frente ao francês Jeremy Chardy, por 7-6 (7-5), 6-4, 5-7, 6-7 (6-8) e 6-1, e do canadiano Milos Raonic, ante o suíço Stan Wawrinka, pelos parciais de 6-7 (4-7), 7-6 (8-6), 7-6 (13-11) e 7-6 (7-5), foi a vez de Novak Djokovic bater o gaulês Jo Wilfried-Tsonga, seu adversário na final do Open da Austrália em 2008, quando ganhou o primeiro dos seus 14 títulos do 'Grand Slam'.

Apesar de ter levado a melhor em seis ocasiões anteriores, Tsonga (177.º ATP) está a regressar à competição, depois de uma ausência de sete meses em 2018, devido a lesão num joelho, e foi incapaz de travar o sérvio e número 1 do ranking ATP, que selou a vitória por 6-3, 7-5 e 6-4, em pouco mais de duas horas.

Na competição feminina, e à procura de igualar o recorde de 24 títulos do 'Grand Slam', Serena Williams não teve qualquer dificuldade para eliminar a canadiana Eugenie Bouchard (79.ª WTA), por duplo 6-2, em apenas uma hora e 10 minutos.

Depois de revelar em court que o único troféu que guarda foi-lhe oferecido, aos oito anos, pela irmã Venus Williams, que o havia conquistado numa final entre ambas, "por ter mau perder", a principal favorita à vitória no Open da Austrália vai agora medir forças com a jovem ucraniana Dayana Yastremska, de 18 anos.

Já a líder do ranking WTA, a romena Simona Halep, voltou a precisar de três sets, à semelhança do sucedido na estreia, para selar a qualificação para a terceira ronda, desta feita ante a norte-americana Sofia Kenin, por 6-3, 6-7 (5-7) e 6-4, em duas horas e 30 minutos.

"Nem sei como ganhei hoje. Foi um encontro muito difícil. Ela é uma excelente jogadora, magoei-me um pouco no segundo set, mas lutei até ao fim", confessou a romena, que vai agora enfrentar a norte-americana Vénus Williams na fase seguinte. Vencendo, poderá encontrar Serena.