Djokovic e a rejeição de russos e bielorrussos em Wimbledon: "Atletas vão para fazer desporto"

Djokovic e a rejeição de russos e bielorrussos em Wimbledon: "Atletas vão para fazer desporto"
Redação

Tópicos

Sérvio sugeriu a criação de um diálogo entre os atletas impedidos e o organizador do Grand Slam britânico

A decisão do All England Club em rejeitar a participação de tenistas russos e bielorussos em Wimbledon, como consequência da invsão militar da Rússia na Ucrânia, é contestada por Novak Djokovic. O número um mundial considera que a nacionalidade de um atleta não deve influenciar o critério de inscrição.

"Os atletas estão cá para fazer desporto. Se os expulsamos apenas porque vêm de um determinado país, então é uma má decisão [do organizador]", afirmou o Djokovic, citado pelo "Bola Amarela", sugerindo a criação de diálogo entre as partes.

"Temos de ter comunicação com Wimbledon. Não estou envolvido na política dos jogadores como há dez anos e não falo com os representantes de Wimbledon, mas disseram-me que são muito duros", referiu o tenista sérvio.

Face à rejeição do do All England Club, anunciada em 20 de abril, surgiram rumores acerca de um eventual boicote à competição de atletas em defesa dos homólogos russos e bielorrusos, algo que Djokovic entende como inapropriado.

"Boicote a Wimbledon é muito agressivo, há outras soluções que são muito melhores", juntou o sérvio, sem detalhar quais, que vai defender o título no Grand Slam britânico.

A decisão tomada pelo All England Club afasta, no lado masculino, Daniil Medvedev (n.º 2 do ranking ATP), Andrey Rublev (n.º 8), Karen Khachanov (n.º 25) ou Aslan Karatsev (n.º 30.º), bem como Ilya Ivashka (n.º 44).

Do lado feminino, estão impedidas de participar, entre outras, Aryna Sabalenka (n.º 4 do ranking WTA) e Victoria Azarenka (n.º 18), Anastasia Pavlyuchenkova (n.º 15) e Daria Kasatkina (n.º 26).

No entanto, o All England Club deixou em aberto a possibilidade de reconsiderarem esta decisão, apenas caso "as circunstâncias [na Ucrânia] se alterem entre agora e junho" próximo, garantindo, então, uma "resposta em conformidade".