Exclusivo Superliga e o modelo dos Estados Unidos: fechados num mundo à parte

Superliga e o modelo dos Estados Unidos: fechados num mundo à parte
Catarina Domingos/Frederico Bártolo

Maiores desportos nos EUA só expandem formatos quando a competição está estabilizada. Pedem que cada estado tenha representação e dividem direitos televisivos, tudo para nivelarem por cima as competições. Têm existido poucas falências ao longo do tempo e cada empresa tem voto nos modelos negociais das provas.

A Superliga Europeia nasceu, num comunicado noturno, há duas semanas e nos dias seguintes caiu por terra.