Presidente da federação reage: "Dos sete judocas, cinco são do Benfica. Não os considero representativos"

Presidente da federação reage: "Dos sete judocas, cinco são do Benfica. Não os considero representativos"
Redação

Em carta assinada pelos sete judocas (de 10 atletas do projeto olímpico da modalidade), são muitas as críticas a Jorge Fernandes, acusado de discriminação e ameaças, no que dizem ser um "clima insustentável e tóxico".

Os judocas do projeto olímpico de judo Anri Egutidze, Bárbara Timo, Catarina Costa, Patrícia Sampaio, Rochele Nunes, Rodrigo Lopes e Telma Monteiro acusam o presidente da Federação Portuguesa de Judo (FPJ) de opressão e apelam à intervenção da tutela do desporto.

Em carta assinada pelos sete judocas (de 10 atletas do projeto olímpico da modalidade), são muitas as críticas a Jorge Fernandes, acusado de discriminação e ameaças, no que dizem ser um "clima insustentável e tóxico".

São vários os pontos focados pelos judocas, que dizem ter reunido e exposto os problemas existentes ao presidente da FPJ, mas que esbarraram na "falta de compreensão, de flexibilidade e sensibilidade" do dirigente.

Perante estas revelações, Jorge Fernandes reagiu. "Não reconheço nenhuma razão nestas queixas", começou por referir à TSF.

"Conforme dizem os atletas, já houve uma reunião comigo sobre isto. Quer dizer que este grupo de sete atletas não é representativo do judo nacional. Da parte dos treinadores, estou a ouvi-los pela primeira vez. Estão a haver alguns problemas, de facto, com os treinadores do Benfica. Está a haver problemas com os atletas do Benfica. Destes sete [que assinam o comunicado], cinco são do Benfica. Não os considero representativos", concluiu.