Portugal sem representação política nos Jogos Olímpicos de Inverno

Portugal sem representação política nos Jogos Olímpicos de Inverno
Redação com Lusa

Confirmou esta segunda-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Portugal não terá representação política nas cerimónias de abertura e de encerramento dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, "por várias razões", revelou esta segunda-feira em Bruxelas o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

"Portugal não terá representação política na cerimónia de abertura ou na cerimónia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Inverno, e estamos também a coordenar-nos com os demais Estados europeus nessa matéria, mas não teremos representação política na cerimónia de abertura ou na cerimónia de encerramento", declarou o chefe da diplomacia portuguesa.

Santos Silva, que falava aos jornalistas após participar numa reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE, justificou a ausência com "várias razões", desde "o momento político que se vive em Portugal" ao "sentido de unidade próprio da União Europeia" nas atuais "circunstâncias", admitindo também o peso que tem o facto de os Jogos Olímpicos de Inverno não serem, "do ponto de vista, desportivo «o alfa e o ómega» do desporto nacional".

Depois de, na semana passada, o Parlamento Europeu ter apelado a um boicote diplomático e político dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, face às tentativas da China de "legitimar o seu sistema autoritário", Santos Silva confirmou que "há uma coordenação que se está a fazer [entre os 27], respeitando evidentemente todos os interesses de cada Estado-membro".

"Por exemplo, sei que alguns Estados europeus se farão representar ao nível de ministro do Desporto dada a dimensão da sua representação desportiva. Outros far-se-ão representar apenas ao nível de embaixador, e, como é habitual nestas coisas, mesmo quando a decisão é nacional, nós concertamos sempre posições e é isso que estamos a fazer", disse.

Quanto à posição portuguesa, atribuiu-a então ao "sentido de unidade próprio da UE e também o que é típico da diplomacia não-confrontacional que Portugal pratica", voltando a recordar o "momento político que se vive em Portugal, e que se viverá nas próximas semanas", com a realização de eleições legislativas no próximo domingo, 30 de janeiro.

"Entendemos que uma representação ao nível ministerial ou de membro do Governo não seria a solução apropriada", concluiu.

Vários países, como o Reino Unido, Estados Unidos, Canadá e Austrália, entre outros, anunciaram um boicote diplomático aos Jogos de Pequim, sem prejudicar a participação dos atletas desses países, para denunciar alegadas violações dos direitos humanos na China, e na última quinta-feira o Parlamento Europeu também recomendou aos Estados-membros um "boicote diplomático e político aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022", que decorrem entre 04 e 20 de fevereiro.