Norberto Mourão não embandeira em arco: "Medalha nos mundiais? Uma coisa de cada vez"

Norberto Mourão não embandeira em arco: "Medalha nos mundiais? Uma coisa de cada vez"
Redação com Lusa

Canoísta português, bronze nos Jogos Paralímpicos e campeão europeu esta época, que irá remar em breve, em Copenhaga, manifestou-se ponderado quando ao novo desafio

Norberto Mourão reconhece que vai disputar os Mundiais de canoagem adaptada com "muita pressão e responsabilidade" pelos seus resultados, mas assume ser "destemido" e acredita poder reforçar os pódios em importantes provas internacionais.

"A pressão e responsabilidade é muita. Além dessa medalha [de bronze em Tóquio'2020], fui campeão da Europa esta época. É uma coisa de cada vez. Entrar na final e depois acreditar, dar tudo até ao fim", disse, à Lusa, o atual vice-campeão do Mundo na classe VL2 200 metros, que no Japão conquistou uma das duas medalhas de Portugal nos Jogos Paralímpicos.

Desde o bronze alcançado em Tóquio, em 04 de setembro, o canoísta português ainda não treinou, tendo voltado à água no seu caiaque somente esta quarta-feira, no lago nos subúrbios de Copenhaga onde vão decorrer os Mundiais, de quinta-feira a domingo.

"Gostei da água. Senti-me bem, embora tenha condições muito complicadas, com muito vento e ondulação. Está bom para quem tem experiência e eu tenho-a de quando me preparava no Montijo e treinava com ondas e dificuldades. Penso que aqui vai ser bom", confia.

Norberto Mourão representava o Sporting, que deixou de apoiar a canoagem no início do ano, pelo que se apresentou nos Jogos Paralímpicos como atleta individual, esperando agora que os seus resultados o ajudem a encontrar um clube e mais apoios.

"Esta época, competi a nível individual, vamos ver o futuro. O que importa é o que tenho feito [em competição] cá fora, as coisas têm corrido muito bem. Vamos ver o que acontece em Portugal...", comentou.

No fim do Mundial, vai tirar umas férias e "começar a olhar logo para Paris'2024", assumindo, quase a completar 41 anos, que "enquanto houver forças é para continuar, seja em Paris, Los Angeles'2028 ou o que vier a seguir".

Alex Santos também fez a sua estreia olímpica, com o quinto lugar em KL1 200 metros, desempenho que gostaria de, pelo menos, igualar.

"Não voltámos a treinar, a entrar na água, pelo que é difícil avaliar o nível em que cada um está nesta fase de descompressão. Vou dar o meu melhor em cada fase, sendo que tudo farei para um bom resultado", prometeu.

Este será o primeiro Mundial para Alex Santos, facto que "encerra um sentimento especial" e do qual espera regressar a Portugal com "boas recordações".

Norberto Mourão começa a competir na quinta-feira às 16h10 (15h10 em Lisboa), enquanto Alex Santos vai mais cedo para a água, às 09h05 (08h05) em provas que qualificam os três primeiros diretamente para as finais.