Liga MEO marca o regresso do principal circuito do surf nacional aos Açores

Liga MEO marca o regresso do principal circuito do surf nacional aos Açores
Joana Silva

Apesar de não estar na corrida pelo título nacional, por não ter nacionalidade portuguesa, Halley Batista está com expectativas altas para a penúltima etapa da Liga MEO Surf, que decorre entre hoje e domingo na Praia dos Areais de Santa Bárbara, nos Açores.

A quarta e penúltima etapa da Liga MEO Surf marca o regresso do principal circuito do surf nacional aos Açores, 13 anos depois, e conta com a presença dos melhores surfistas nacionais. Frederico Morais e Vasco Ribeiro são alguns dos nomes sonantes da prova, mas é Halley Batista que se apresenta hoje - chamada marcada para as 06h30 (7h30 em Portugal Continental), nos Areais de Santa Bárbara - na liderança do ranking nacional, após ter vencido a etapa da Ericeira.

Apesar de não entrar na corrida pelo título nacional, por não ter nacionalidade portuguesa, o surfista brasileiro está motivado para voltar a assumir o primeiro lugar do pódio. "Após vencer na Ericeira, a "chama acendeu-se" e deu-me mais motivação para trabalhar e lutar por manter a liderança nos Açores", conta a O JOGO o atleta de 36 anos.

As expectativas "são as melhores" para a etapa, tendo pela frente, no heat 8, duas jovens promessas do surf nacional, Afonso Pinto e Tomás Nunes. "São excelentes surfistas da nova geração, e eu já os acompanho há bastante tempo, mas o meu maior adversário serei eu mesmo, e é nisso que eu tenho de trabalhar, tentando superar-me a cada bateria e chegar ao lugar mais alto possível nesta prova", garantiu Batista.

A viver há vários anos no nosso país, em Aljezur, tem contribuído, com orgulho, para a evolução da modalidade em Portugal. "Fico muito feliz em poder participar nessa fase de crescimento do surf português e espero que em breve os surfistas portugueses possam atingir grandes resultados no circuito mundial, lutando por títulos e levantando a bandeira de Portugal no lugar mais alto do mundo,", concluiu.

A "jogar em casa" estará Jácome Correia, surfista açoriano e top 20 nacional, que garante não sentir pressão em termos de resultados, e contará com a presença da família no areal "para dar uma força extra".

O jovem surfista, que conhece os Areais de Santa Bárbara como ninguém, não tem nenhum conselho a dar aos adversários, mas aproveita para deixar-lhes uma mensagem: "São todos muito bem-vindos, disfrutem ao máximo da Ilha e das ondas, e mantenham o respeito pela nossa natureza."

A crescente prática da modalidade também é uma realidade nos Açores, e Correia acredita que "quanto maior for o investimento em eventos de surf na região, maior será a adesão, quer por parte de surfistas, quer daqueles que pretendem iniciar-se."

Já no feminino, Teresa Bonvalot, líder do ranking com dois triunfos e uma final em três etapas, pode sagrar-se campeã nacional pela quarta vez na carreira (2014, 2015, 2020), caso chegue à final. Para isso, terá primeiro de superar Raquel Otero e Mariana Rocha Assis, no heat 4.