Premium Taekwondo: volta ao mundo pelos pontos

Taekwondo: volta ao mundo pelos pontos
Carlos Flórido

Qualificação olímpica leva Rui Bragança e Júlio Ferreira a fazer mais de uma dúzia de viagens anuais

A qualificação olímpica do taekwondo é a mais ingrata entre as modalidades dos Jogos. Só são apurados 16 atletas por categoria de peso e estas são apenas quatro, resultando da fusão das oito habituais. Para os atletas, são fundamentais os cinco primeiros lugares do ranking olímpico, atendendo a que, no caso dos europeus, só restarão mais três vagas em torneios de apuramento. Júlio Ferreira, atleta do Braga dos -80 kg é décimo nessa tabela, e Rui Bragança, do Benfica, é 15.º nos -57 kg, sendo os portugueses com mais possibilidades de ir a Tóquio"2020. Para isso, vivem numa constante volta ao mundo, em busca dos pontos nas provas.

"Este ano faltou-nos Austrália e América", ri-se Bragança, ao perceber que nos últimos dez meses esteve em outros tantos países e ainda irá competir no Dubai. "O nosso objetivo é estar entre os cinco primeiros do ranking, mas a qualificação só termina em dezembro de 2019. Como vamos descontando pontos dos dois anos anteriores, estamos bem a tempo", diz o atleta do Benfica, que tendo 169 pontos está a quase 100 do top 5: "Sendo muito difícil, pois é preciso estar melhor do que os adversários diretos, não é nada impossível. Ganhar o Mundial vale 120 e um Grand Prix dá 40."