Clã Frazão em força em Oran: "Não há o treinador que impõe o caminho"

Clã Frazão em força em Oran: "Não há o treinador que impõe o caminho"
Catarina Domingos, enviada especial em Oran [Argélia]

Os irmãos Miguel e Filipe Frazão competem em espada, orientados pelo pai e antigo olímpico Nuno Frazão.

A restarem três dias, a esgrima é a última modalidade em que Portugal se estreia nestes Jogos, havendo, entre os quatro atletas presentes, um apelido que salta à vista. Os irmãos Filipe Frazão (21 anos) e Miguel Frazão (19) vão competir esta segunda-feira em espada, sendo, desde sempre, orientados pelo pai Nuno Frazão, que também está em Oran.

"Para quem gosta de ser treinador, ter a possibilidade de ter os seus filhos nesse processo é um privilégio. Já era pai deles antes de serem meus atletas e já era treinador antes de se juntarem ao grupo", comenta o antigo atleta olímpico (Atlanta"1996) para quem os laços familiares são uma vantagem.

"Ouvimo-nos uns aos outros e não há o treinador que impõe o caminho", vinca. Na mesma linha, o filho mais novo defende que "dá para ter mais aprendizagens ao levar a esgrima para casa".

Iniciados na modalidade aos três anos, os dois representantes do Clube Atlântico de Esgrima estão a viver a primeira experiência num evento multidesportivo.

"Conseguimos ver outras modalidades, em treino e em competição. Teinar ao pé deles é sempre uma energia-extra, por estarmos todos a representar Portugal", relata Filipe, que promete "dar o máximo para conquistar cada toque". Já Nuno Frazão explicar os dois são aposta para Los Angeles"2028 ou, quem sabe, antes. "[Presença em] Paris está aí para ser discutida. Só quem não está no processo é que não se qualifica de certeza".