António Costa distingue Telma Monteiro: "O teu maior mérito é o que está no coração de todos os portugueses"

António Costa distingue Telma Monteiro: "O teu maior mérito é o que está no coração de todos os portugueses"
Redação

Judoca do Benfica foi homenageada pelo Governo no Altice Arena, onde se disputa o Europeu.

"Obrigada pela forma como prestigias e honras Portugal. É um privilégio entregar-te esta medalha. O teu maior mérito é o que está no coração de todos os portugueses", estas foram as palavras do primeiro-ministro António Costa na hora de entregar a Mealha de Mérito Desportivo a Telma Monteiro, a mais medalhada de sempre em campeonatos da Europa, depois de ter conquistado o sexto título europeu (- 57 kg), num total de 15 medalhas.

Telma Monteiro foi homenageada pelo Governo no Altice Arena, onde estiveram além de António Costa, Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação, e João Paulo Rebelo, secretário de Estado da Juventude e do Desporto.

Os membros do Governo saudaram os restantes representantes lusos no Europeu, entre eles João Crisóstomo, bronze nos 66 kg.

António Costa, após a cerimónia, voltou a falar sobre os feitos de Telma Monteiro, do Europeu em Lisboa e referiu: "Este Europeu é muito importante que se realize aqui, é pena é que seja nestas circunstâncias. Estou muito satisfeito com o desempenho dos atletas portugueses. A Telma teve ontem uma medalha de ouro, tivemos ainda uma medalha de bronze, hoje estamos em condições de ter novas medalhas e e amanhã também. Significa que o judo cresceu e hoje e uma modalidade madura. Não somos só país do futebol, mas de muitas modalidades e acho que devemos muito também ao exemplo da Telma Monteiro, que é um exemplo fantástico. 15 participações, 15 medalhas, é fantástico. Ela é mesmo única".

Sobre a paragem do desporto durante a pandemia, o primeiro-ministro anotou: "É muito importante prepararmos estes dois anos perdidos. Para muitas crianças foram dois anos muito difíceis e temos de ter um programa de recuperação pós-pandemia porque deixa marcas e não podemos perder estas gerações que estiveram dois anos parados. Temos de olhar para esse futuro. Parte da reconstrução do país passa também a recuperação da atividade física e o que se perder. Os atletas de alta competição mantiveram a sua atividade, mas há todos os outros".