Vettel leva a Ferrari onde não estava desde 2008

Vettel leva a Ferrari onde não estava desde 2008

Em termos de campeonato, o GP de Singapura não trouxe alterações de monta à classificação. Hamilton mantém a liderança.

Uma estratégia de paragem nas boxes mais arrojada do que a dos adversários permitiu ao alemão Sebastian Vettel (Ferrari) conquistar a primeira vitória da temporada de Fórmula 1, em Singapura, 392 dias depois do triunfo na Bélgica. Para a Ferrari significou ganhar três Grandes Prémios consecutivos, o que não sucedia desde 2008.

O piloto alemão, que foi o primeiro a parar para trocar de pneus na 15.ª prova do campeonato, concluiu o GP de Singapura em 1:58.33,667 horas, com 2,641 segundos de vantagem sobre o seu companheiro de equipa, o monegasco Charles Leclerc, que vinha de duas vitórias consecutivas e saiu do primeiro lugar da grelha.

Vettel, que este ano já tinha ganho em pista o GP do Canadá, perdendo o triunfo na secretaria para o britânico Lewis Hamilton (Mercedes), somou a 53.ª vitória da carreira.

O holandês Max Verstappen (Red Bull) foi o terceiro, a 3,821 segundos de Vettel e na frente de Hamilton.

A vitória ficou decidida no final da 19.ª volta, quando a Ferrari fez parar Vettel, que partiu da terceira posição, para trocar de pneus macios para duros antes de todos os principais adversários, e quando era terceiro classificado.

A equipa italiana manteve Leclerc, que liderava desde o arranque, em pista por mais duas voltas, o suficiente para que o alemão ficasse na frente do companheiro de equipa.

A equipa italiana manteve Leclerc, que liderava desde o arranque, em pista por mais duas voltas, o suficiente para que o alemão ficasse na frente do companheiro de equipa.

A Mercedes, vendo que tinha perdido a janela ideal para a paragem, aguentou Lewis Hamilton com pneus usados até à 27.ª volta, esperando que os dois Ferrari perdessem tempo a ultrapassar pilotos mais lentos, sem sucesso.

"Mandaram-me entrar na última curva antes das boxes. Na altura, pensei que tinha sido uma paragem demasiado cedo. Depois disso, dei tudo na volta seguinte e fiquei surpreendido por estar na frente do Leclerc. Tentei conseguir uma almofada de tempo para controlar no final da corrida, mas não deu por causa do 'safety car'", explicou Vettel.

A entrada, por três vezes, do 'safety car' em pista depois de todos terem parado permitiu aos pilotos da Ferrari preservar os pneus e evitar o assédio final dos Mercedes, que tinham as borrachas em melhor estado por terem parado mais tarde.

Quem ficou pouco satisfeito foi Leclerc, pois perdeu a corrida com a manobra tática da própria equipa, perdendo a oportunidade de somar o terceiro triunfo consecutivo, algo que um piloto da escuderia não consegue desde o alemão Michael Schumacher, em 2006.

"É difícil perder uma vitória assim. Mas, por outro lado, para a equipa, é a primeira 'dobradinha' do ano. Às vezes, é assim. Chegámos aqui a pensar em conseguir, talvez, um pódio e saímos com os primeiros dois lugares", comentou Leclerc, já depois de ter sido aconselhado pelo diretor desportivo da Ferrari, o italiano Mattia Binotto, a manter a calma, pois falariam "depois da corrida".

Em termos de campeonato, o GP de Singapura não trouxe alterações de monta à classificação. Hamilton mantém a liderança, agora com 296 pontos e 65 de vantagem sobre o companheiro de equipa, o finlandês Valtteri Bottas.

Charles Leclerc e Max Verstappen estão empatados em terceiro, com 200 pontos, contra os 194 de Sebastian Vettel.

A próxima corrida disputa-se em 29 de setembro, em Sochi, na Rússia.