Um aperto histórico na Fórmula 1

Um aperto histórico na Fórmula 1
Carlos Flórido

Tópicos

Fórmula 1 vai baixar orçamentos anuais e inovar ao limitar o desenvolvimento aerodinâmico dos vencedores

A crise financeira gerada pelo coronavírus permitiu finalmente um acordo entre as equipas de Fórmula 1 para uma redução do teto orçamental. Depois de meses de discussões, com apertos do cinto bloqueados pela Ferrari, que nunca aceitou baixar dos 150 milhões de dólares (137,5 milhões de euros) anuais, as equipas aprovaram uma redução para 145 milhões (menos 30 do que agora) no próximo ano, 140 no seguinte e 135 (124 milhões de euros) entre 2023 e 2025. Mais ainda, e este passo foi surpreendente, as equipas que terminarem nos primeiros lugares terão menos tempo para desenvolvimento aerodinâmico na época seguinte.

As decisões das equipas ainda terão de ser aprovadas pela organização da Fórmula 1 e da FIA, mas difícil foi chegar até aqui. Desde outubro passado que se debatia uma redução do orçamento de 175 milhões para 2021, com a Ferrari a alegar que baixar demasiado implicaria despedir centenas de pessoas. A crise permitiu um acordo, o que não significa que houvesse consenso entre os 10 construtores. "O motor e o piloto devem estar no orçamento", disse Zak Brown, CEO da McLaren, à Forbes, sobre dois dos pontos que continuarão a favorecer equipas como Mercedes e Ferrari, mas seriam impossíveis de ultrapassar: só Lewis Hamilton ganha 50 milhões anuais...

"Não sou adepto de corridas com "handicap". É irónico encorajar as equipas mais pequenas a gastar mais em testes", comentou Christian Horner, da Red Bull, sobre a medida que teoricamente equilibrará os andamentos, filosofia sempre rejeitada na Fórmula 1. A equipa que for campeã este ano só poderá utilizar 90% do tempo disponível para desenvolvimentos aerodinâmicos num túnel de vento e no denominado Computer Fluid Dynamics, com as seguintes a serem reduzidas em 2,5%. Dentro de um ano, esse corte será de 70% para o campeão. Como os carros atuais vão transitar para 2021, a medida não terá grandes efeitos por enquanto.