Sainz alcançou primeira vitória à 150.ª corrida na Fórmula 1: "Por favor, não inventem"

Sainz alcançou primeira vitória à 150.ª corrida na Fórmula 1: "Por favor, não inventem"

Carlos Sainz conquistou a primeira vitória à 150.ª corrida na Fórmula 1

Carlos Sainz (Ferrari) conquistou a primeira vitória da carreira na Fórmula 1 na 150.ª que disputou, no Grande Prémio da Grã-Bretanha, marcado pelo acidente do chinês Zhou Guanyu (Alfa Romeo) na primeira curva.

Sainz cortou a meta com o tempo de 2:17.50,311 horas, deixando na segunda posição o mexicano Sergio Pérez (Red Bull), a 3,779 segundos, enquanto o britânico Lewis Hamilton (Mercedes) foi o terceiro, a 6,225 segundos do vencedor.

Esta 10.ª corrida da temporada teve um início prometedor, com o holandês Max Verstappen (Red Bull), saído da segunda posição, a fazer uso dos pneus macios para ultrapassar o autor da pole position, precisamente Carlos Sainz, que montava pneus médios.

Mas, no meio do pelotão, a travagem para a primeira curva gerou uma série de carambolas que culminou com o espetacular acidente de Zhou.

O carro do piloto chinês capotou depois de um embate do Mercedes do britânico George Russell, que tinha sido tocado pelo Alpha Tauri do francês Pierre Gasly.

Esse acidente provocou uma sucessão de outros pequenos toques, que deixaram de fora Zhou, Russell e o tailandês Alexander Albon (Williams), que se envolveu num choque com o alemão Sebastian Vettel (Aston Martin), o francês Esteban Ocon (Alpine) e o japonês Yuki Tsunoda (Alpha Tauri).

A corrida foi imediatamente suspensa com bandeira vermelha, para os comissários retirarem o piloto chinês do carro, que ficou entalado entre os rails de proteção e as grades que delimitam o circuito para as bancadas.

Apesar do susto, Zhou e Albon foram transportados ao centro médico do circuito, onde chegaram conscientes e sem ferimentos de maior.

A Federação Internacional do Automóvel (FIA) informou mais tarde que Albon acabou transportado de helicóptero ao hospital de Coventry para exames adicionais.

A prova esteve interrompida uma hora e, no reatamento, com a grelha de partida original, Sainz já não se deixou surpreender por Verstappen, que entretanto montou pneus médios no Red Bull. O espanhol arrancou bem e desviou o seu Ferrari para a direita da pista, encostando o campeão mundial ao muro.

Verstappen acabaria por passar Sainz na 10.ª volta, mas a liderança durou pouco pois ao passar por um corretor, danificou uma pequena aleta na traseira do Red Bull, que influenciou a prestação do campeão no resto da corrida, acabando por baixar à sétima posição final.

Já Sérgio Pérez teve de parar para trocar a asa dianteira, regressando à pista na última posição.

Leclerc acabou por chegar à liderança após as primeiras trocas de pneus mas, a 10 voltas do final, o francês Esteban Ocon (Alpine) teve de parar na reta da meta devido a uma avaria, obrigando à entrada do "safety car".

Várias equipas aproveitaram para fazer entrar nas boxes os seus pilotos para trocar para pneus macios mas a Ferrari optou por deixar Leclerc em pista com pneus duros, enquanto Sainz e Hamilton pararam.

Quando regressou à pista na segunda posição, a equipa pediu a Sainz para deixar uma distância de 10 carros de distância para o líder.

"Por favor, não inventem", pediu o espanhol, que ficaria à mercê dos ataques de Hamilton.

Sainz não respeitou a indicação e atacou mesmo Leclerc, ganhando vantagem por ter pneus macios mais recentes, reconquistando a liderança que já tinha sido sua.

A estratégia da Ferrari acabou por custar pontos ao monegasco, que se viu ainda ultrapassado por Pérez, votado como piloto do dia, e Hamilton, que ao subir ao pódio pela 13.ª vez em Silverstone, bateu o recorde de mais pódios conquistados na mesma pista.

Ao terminar apenas em quarto, conquistou seis pontos a Verstappen, que mantém o comando do campeonato, com 181 pontos. Pérez é segundo, com 147, e Leclerc terceiro, com 138.

A próxima corrida vai ser o Grande Prémio da Áustria, 11.ª etapa do Mundial, a disputar no dia 10 de julho.