Rally Spirit: Blomqvist diz que a paixão dos portugueses continua igual

Rally Spirit: Blomqvist diz que a paixão dos portugueses continua igual

Sueco de 73 anos exibiu-se com um Audi Quatto S1 de Grupo B, foi o mais aplaudido e no final deixou um recado: "Os pilotos atuais não sabem o que é correr em Arganil com nevoeiro"

Portugal entrou na rota dos mais prestigiados "rali-legends" europeus, tal foi o êxito da 5ª edição do Rally Spirit Altronix. Foram três dias de emoções fortes entre Gaia e Barcelos, com muito saudosismo à mistura, já que entre os mais de 100 participantes - cerca de 30% estrangeiros - estiveram muitos carros de épocas que marcaram a história dos ralis mundiais, com destaque para os impressionantes Grupo B e sobretudo para um ex-campeão do mundo, o sueco Stig Blomqvist, que aos 73 anos de idade animou o público com um Audi Sport Quattro S1. Em Vila Nova de Gaia, Porto, Barcelos e Santo Tirso estiveram milhares de espectadores, apesar da chuva. No plano desportivo, destaque para as vitórias de Pedro Leal/Isabel Ramalho (Mitsubishi Lancer Evo) na Categoria "Spirit" e Rui Salgado/Luís Godinho (Volkswagen Golf GTI) entre os "Históricos".

"Foi muito bom regressar a Portugal e ver que nada mudou... só eu estou mais velho! A paixão pelos ralis mantém-se e os espectadores continuam a vibrar. E felizmente agora estão muito melhor comportados", comentou Blomqvist

Para o sueco, "voltar a guiar este Audi Sport Quattro S1 também é um prazer". "Noutros tempos, correr com ele contra o cronómetro era um enorme desafio. Mais de 30 anos depois continua a sê-lo, mesmo que o ritmo seja mais lento. O gozo de guiá-lo num ambiente descontraído como o do Rally Spirit ainda é imenso!"

Stig Blomqvist, após 55 anos de carreira, acha que os ralis mudaram: "Os pilotos de hoje são também muito rápidos, mas têm melhores condições do que as da década de 80. Penso que nunca saberão quais as dificuldades do que era fazer um troço como Arganil à noite, com nevoeiro e chuva, ou um rali com 700 quilómetros de troços cronometrados e tendo poucas horas de sono, com carros que não curvavam como os atuais e que tinham acelerações brutais. Mas é normal, é a curva do tempo e a evolução".

Quanto ao Rally Spirit Altronix, teve um marco importante na sua ainda curta história. Entre as mais de 100 equipas que alinharam à partida estavam carros tão emblemáticos como o Audi Sport Quattro S1, MG Metro 6R4, Peugeot 205 Turbo 16 E2, Lancia Stratos, Lancia 037, Alpine A110 e Renault 5 Turbo.

Além das 10 classificativas, a prova da X-Racing teve uma importante "Boucles Barcelos", corrida de forma inédita em Portugal: sem tempos cronometrados, entusiasmou o público com as animadas perseguições entre os diversos concorrentes, numa aposta claramente ganha.

No capítulo desportivo, a prova reservou algumas surpresas para o último dia, principalmente na categoria "Spirit". Depois de liderar na primeira etapa, a dupla espanhola Emilio Vazquez/Hector Rodriguez cedeu o comando a duas classificativas do final, após problemas mecânicos no Citroën ZX Kit Car, o que permitiu à dupla Pedro Leal/Isabel Ramalho, num Mitsubishi Lancer Evo, herdar a vitória. Com desportivismo, o piloto português referiu que o triunfo "pertence à equipa espanhola no plano moral, embora já se saiba que os ralis estão sempre cheios de imponderáveis".

Mesmo fora dos planos iniciais, até porque tinha apenas um único jogo de pneus disponível para toda a prova, Leal firmou o segundo triunfo na prova, repetindo o êxito de 2017.

Na categoria "Históricos", Rui Salgado e Luís Godinho não deixaram escapar a vitória no último dia, com o rápido e equilibrado Volkswagen Golf GTI. Naquele que poderá ter sido o seu último rali, o piloto nortenho confessou que o segredo da vitória "esteve no andamento da primeira classificativ,a onde, com muita chuva, os adversários jogaram à defesa e eu arrisquei tudo, ganhando uma vantagem que consegui aumentar até ao final do primeiro dia, para depois gerir no último".

Classificação final

SPIRIT

1º Pedro Leal/Isabel Ramalho (Mitsubishi Lancer Evo), 33m22,4s

2º Gonçalo Figueiroa/José Janela (Ford Escort MK II), a 1m13,8s

3º Armando Costa/Rui Raimundo (Mitsubishi Lancer Evo), a 1m24,1s

HISTÓRICOS

1º Rui Salgado/Luís Godinho (Vokswagen Golf GTI), 36m35,4s

2º Rui Ribeiro/Pedro Fernandes (Ford Escort MK I), a 14,9s

3º Julio Borga Saura/Juan Costas (Porsche 911 SC), a 59,2s