Piloto russo nega saudação fascista: "Nunca tive a intenção de apoiar o nazismo ou fascismo"

Piloto russo nega saudação fascista: "Nunca tive a intenção de apoiar o nazismo ou fascismo"
Redação

Tópicos

A Federação Internacional do Automóvel (FIA) abriu um processo ao piloto russo Artem Severiukhin e a equipa anunciu a rescisão do contrato

O piloto russo Artem Severiukhin, que, sob bandeira italiana, venceu a etapa algarvia do Europeu de karting, celebrando com uma saudação fascista, publicou esta segunda-feira uma mensagem na rede social Telegram, uma das poucas que ainda funcionam na Rússia, em face das sanções resultantes da invasão da Ucrânia.

Severiukhin, numa mensagem nem sempre perceptível - devido ao ruído e à qualidade do inglês -, nega que tenha tido a intenção de fazer a saudação fascista. "Quero pedir desculpa por tudo o que aconteceu ontem", disse, aparentado estar emocionalmente abalado com as consequências do gesto.

"Muitos entenderam que o meu gesto foi a saudação fascista. Isso não é verdade. Condeno o nazismo, um dos piores crimes da história", acrescentou.

O piloto russo de 15 anos disse ainda ser incapaz de explicar o sucedido. "Estou preparado para ser penalizado, mas, por favor, entendam que nunca tive a intenção de apoiar o nazismo ou fascismo. Peço desculpa", concluiu.

Artem Severiukhin, de 15 anos, venceu no domingo a corrida da categoria OK, para maiores de 15 anos, no Autódromo Internacional do Algarve (AIA), em Portimão, impondo-se ao britânico Joe Turney e ao sueco Oscar Pedersen.

Ladeado por ambos, o antigo campeão da Rússia em juniores subiu ao lugar mais alto do pódio, e, enquanto tocava o hino italiano, sorriu e ergueu o braço direito, recriando uma saudação fascista, que está ilegalizada em Itália desde 1952.