"MotoGP em Portugal em 2021? Há uma pressão enorme das equipas"

"MotoGP em Portugal em 2021? Há uma pressão enorme das equipas"
Redação com Lusa

Tópicos

O presidente da Federação Internacional de Motociclismo, Jorge Viegas, fala num "sonho realizado" com o triunfo de Miguel Oliveira em Portugal. O regresso da competição ao Algarve, em 2021, é uma possibilidade e as equipas têm feito pressão para que tal aconteça.

O presidente da Federação Internacional de Motociclismo (FIM), o português Jorge Viegas, disse que ver um português a ganhar o Grande Prémio de Portugal era "um sonho de décadas que foi realizado".

Em declarações à Agência Lusa, Jorge Viegas sublinhou que o triunfo de hoje de Miguel Oliveira na corrida de MotoGP foi "uma vitória fantástica", que "não deixou dúvidas a ninguém", pelo que "tudo se conjugou para que tenha sido um enorme sucesso".

"É um sonho de há umas décadas ter um português a vencer em MotoGP e ainda por cima como foi e em Portugal, era um objetivo que tinha", sublinhou o presidente da FIM.

Jorge Viegas sublinhou que o Grande Prémio português "foi um sucesso" e que tem havido "imensa pressão para o campeonato voltar" ao Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão.

Por isso, o dirigente máximo do motociclismo mundial acredita que o pelotão estará de volta ao Algarve "em abril".

"Há uma pressão enorme de todas as equipas, que dizem que tem de fazer parte do calendário", frisou.

Jorge Viegas disse ainda acreditar que as vitórias de Miguel Oliveira vão contribuir para o aumento de praticantes da modalidade em Portugal.

"Acho que vai atrair mais miúdos e miúdas para este desporto. Não tenho qualquer dúvida. A federação em Portugal já começou a sentir maior adesão às academias de pilotos. Com esta mediatização do Miguel, vai atrair mais jovens, com certeza", destacou.

A finalizar, Jorge Viegas mostrou convicção de que será possível ver o português campeão.

"É o passo seguinte. Vai ser muito difícil. Toda a gente sabe que é dos títulos mais difíceis, mas o Miguel já está lá e ganhou duas corridas este ano. Cá estamos para o apoiar", concluiu.