Miguel Oliveira: Gresini Ducati é melhor opção para prosseguir a carreira

Miguel Oliveira: Gresini Ducati é melhor opção para prosseguir a carreira

Português pode ter numa empresa de Aveiro o "segredo" para a sua mudança de equipa.

Tendo a saída da KTM como quase inevitável, depois de ter recusado a despromoção à Tech3, Miguel Oliveira, atual 11.º classificado do MotoGP, tem neste momento a Gresini-Ducati como melhor opção de carreira, pois a equipa italiana, que esta época já venceu três corridas com Enea Bastianini, deverá perder o seu maior talento para a equipa oficial do construtor italiano. Outro ponto a favor do almadense será a presença de um patrocinador português, a OLI - Sistemas Sanitários, de Aveiro, entre os mais importantes da equipa privada de Faenza.

Depois da recusa a um regresso à Tech3 KTM, que correu mundo ao ser confirmada por Oliveira na conferência de Imprensa após o Grande Prémio de Itália, o piloto português foi associado ainda com mais força à LCR Honda, até porque entretanto a Yamaha anunciou o fim da ligação à RNF, passando a ter apenas a equipa oficial - a satélite vai ligar-se à Aprilia.

Na segunda equipa da Honda, o patrão Lucio Cecchinello diz tratar-se apenas de um rumor e que nunca falou com Oliveira, pedindo mais umas semanas para tomar decisões sobre os futuros pilotos. Takaaki Nakagami deverá sair, mas provavelmente para dar lugar a outro japonês, Ai Ogura, um dos atuais lideres de Moto2, faltando saber se Alex Marquez, que ainda só tem um top-10 (sétimo no Algarve), manterá o lugar. Na equipa oficial da Honda, espera-se que Joan Mir renda Pol Espargaró e se junte a Marc Márquez, havendo outro eventual problema na LCR: Nakagami já veio dizer que não recebe peças novas desde a primeira corrida da época.

Resta, estando os lugares nas equipas oficiais preenchidos, a equipa fundada pelo já falecido Fausto Gresini em 1997 e que já possui títulos de Moto2, Moto3 e MotoE, só não sendo atualmente a melhor privada do MotoGP devido aos poucos pontos do "rookie" Fabio Di Giannantonio, espantoso autor da pole position no passado sábado, no Mugello. Sendo quase certo que Enea Bastianini irá ocupar o lugar de Jack Miller na Ducati - e o australiano fazer companhia a Brad Binder na KTM oficial -, Miguel Oliveira será a solução perfeita para manter a equipa competitiva, lucrando com o facto de passar a ter a moto mais competitiva da atualidade.

A presença da OLI poderá ser uma ajuda preciosa. Não tendo a Gresini um patrocinador principal, mas sim um total de 14, a empresa de Aveiro que fabrica materiais de casa de banho está entre as cinco principais e, naturalmente, ficará agradada com uma ligação a um dos atletas nacionais mais populares.