Decisão tomada: GP da Arábia Saudita de Fórmula 1 vai mesmo realizar-se

Decisão tomada: GP da Arábia Saudita de Fórmula 1 vai mesmo realizar-se
Catarina Domingos

Tópicos

Os 20 corredores estiveram reunidos mais de quatro horas.

Um ataque com um míssil às instalações da Aramco, a apenas 12 quilómetros do circuito Jeddah Corniche, transformou por completo o primeiro dia do Grande Prémio da Arábia Saudita, que esteve por um fio e perto de ser a segunda corrida da temporada cancelada, depois de o GP da Rússia ter sido riscado. A confirmação surgiria já perto das três da manhã em Jeddah, depois de uma maratona de conversações entre os pilotos.

Num dia longo, a maior companhia de petróleo e gás natural do mundo, parceira global da Fórmula 1 e patrocinadora da Aston Martin foi alvo dos rebeldes houthis, movimento xiita suportado pelo Irão no Iémen, onde a Arábia Saudita intervém desde 2015, liderando uma coligação militar de países sunitas que apoia o governo. "O meu carro está a arder?", questionou Max Verstappen (Red Bull) via rádio, face ao intenso cheiro vindo de uma grande coluna de fumo visível ao longe.

O alarme tomou logo conta do Grande Circo, mas, após uma primeira reunião entre equipas, pilotos e o CEO Stefano Domenicali, os segundos treinos livres realizaram-se, com Charles Leclerc a ser o mais rápido. Depois de nova reunião, Domenicali e o presidente da FIA Mohammed Ben Sulayem asseguravam que o fim de semana iria decorrer "como o planeado".

No entanto, entre os pilotos as opiniões pareciam dividir-se, tendo, por exemplo, o conselheiro da Red Bull, Helmut Marko, partilhado que Sergio Pérez estava "assustado". Os 20 corredores estiveram reunidos mais de quatro horas, ora sozinhos, ora na presença de responsáveis das equipas e F1, com Lewis Hamilton e Fernando Alonso entre os mais interventivos - o britânico seria um dos cinco pilotos que não queria correr. O impasse fez lembrar março de 2020, quando o GP da Austrália esteve até à última para ser cancelado por causa da pandemia, mas, desta vez, o desfecho foi diferente.