Dakar'2020: corrida relançada nos carros e quase decidida nas motas

Dakar'2020: corrida relançada nos carros e quase decidida nas motas

O nono dia de competição da 42.ª edição, que se disputa na Arábia Saudita, ficou marcado pela vitória do francês Stéphane Peterhansel (Mini), nos automóveis.

A três etapas do final do Rali Dakar de todo-o-terreno, a competição está relançada nos automóveis, depois de o líder ter perdido tempo na nona de 12 etapas, disputada esta quarta-feira, enquanto as motas têm a classificação praticamente definida.

O nono dia de competição da 42.ª edição, que se disputa na Arábia Saudita, ficou marcado pela vitória do francês Stéphane Peterhansel (Mini), nos automóveis, ele que é navegado pelo português Paulo Fiúza, e pelo erro de navegação que fez o espanhol e líder da prova, Carlos Sainz (Mini), perder 6.31 minutos.

Peterhansel e Fiúza gastaram 3:08.31 horas para cumprirem os 410 quilómetros da especial cronometrada entre Wadi Al Dawasir a Haradh, na Arábia Saudita, deixando o qatari Nasser Al-Attiyah (Toyota) em segundo, a apenas 15 segundos.

O árabe Yazir Seaidan (Mini) fechou os lugares do pódio, a 4.48 do vencedor.

"Esta foi mais uma especial completamente ao ataque. Tentámos elevar o ritmo desde o início, mas sem nunca acelerar em demasia. Não cometemos erros de navegação. Vamos tentar continuar a pressionar o líder", declarou Peterhansel, no final.

Mais desanimado estava Sainz. "Não foi um dia bom para nós. Primeiro, perdemo-nos no início da especial e cedemos uns cinco minutos. Mais tarde, o pneu começou a desfazer-se e perdemos mais algum tempo", explicou, segurando o comando da prova por 24 segundos sobre Al-Attiyah e 6.38 minutos sobre Peterhansel e Fiúza.

Nos SSV, o zimbabueano Conrad Rautenbach (PH Sport), navegado pelo português Pedro Bianchi Prata, foi apenas sétimo classificado, a 13.55 minutos do vencedor, o norte-americano Blade Hildebrand.

Na geral, Rautenbach e Bianchi Prata mantiveram o quarto lugar da categoria, mas já a 1:16.28 do líder, o norte-americano Casey Currie (Can Am).

Nas duas rodas, o chileno Pablo Quintanilla (Husqvarna) foi o mais rápido, demorando 3:30.33 horas para cumprir os 410 quilómetros da especial cronometrada de um total de 476 que compunham a etapa que ligou Wadi Al Dawasir a Haradh.

Em segundo lugar, terminou o norte-americano Toby Price (KTM), a 1.54 minutos do chileno, e o espanhol Joan Barreda (Honda) foi o terceiro classificado, a 2.42 minutos.

Mário Patrão (KTM) foi, desta vez, o melhor português, no 26.º lugar, a 26.55 minutos do vencedor.

Fausto Mota (Husqvarna) foi 35.º e António Maio (Yamaha), penalizado em 15 minutos, 38.º.

Na classificação geral, o norte-americano Ricky Brabec (Honda), que foi quarto classificado na etapa de hoje, mantém a liderança, agora com 20.53 minutos de vantagem sobre Quintanilla, depois de hoje ceder 3.55.

Toby Price subiu aos lugares do pódio e já é terceiro, a 26.43 do líder.

António Maio é 28.º, Fausto Mota 33.º e Mário Patrão 35.º.

Esta quarta-feira disputa-se a 10.ª de 12 etapas da prova que este ano trocou a América do Sul pela Arábia Saudita, com uma ligação entre Haradh e Shubaytah, com uma distância total de 608 quilómetros, 534 deles cronometrados.

Esta será a primeira parte de uma etapa maratona, em que os pilotos só poderão receber assistência de outros competidores, tendo ainda 30 quilómetros de dunas na parte final do percurso.