Nova polémica na F1: Red Bull ultrapassou limite orçamental no ano do título de Verstappen

Escuderia Red Bull em Singapura

 foto AFP

A FIA não confirma qualquer violação das regras, para já.

O Mundial de Fórmula 1 volta a estar envolto em polémica e desta feita no centro do furação estão duas escuderias: Red Bull e Aston Martin.

Segundo o jornal italiano Gazzetta dello Sport, as duas escuderias infringido o limite orçamental na temporada passada, que terminou com Max Verstappen, da Red Bull, a conquistar o título de campeão.

Segundo o diário, a escuderia da marca de uma bebida energética terá ultrapassado mais ou menos cinco por cento do limite regulamentar. Quais as consequências da regra criada em 2021? Se o valor for abaixo de 5%, Red Bull e Aston Martin incorrem numa multa, reprimenda pública, eventual dedução de pontos do Mundial de construtores e/ou de pilotos, exclusão de eventos e limitações no uso de túnel de vento.

"Não estou ao corrente de nada", afirmou Chris Horner, diretor da Red Bull. "As contas foram todas submetidas em março. É um longo processo que a FIA está a levar a cabo. Creio que na próxima semana será declarado o certificado", acrescentou.

Quem aproveitou o caso, foi, naturalmente, Toto Wolff, diretor da Mercedes. "A infração não afeta somente 2021, mas também os anos de 2022 e 2023. São milhões que podem fazer a diferença entre ganhar ou perder", afirmou. "Estamos muito preocupados. Confio na FIA e no trabalho dos reguladores", concluiu.

A FIA não confirma qualquer violação das regras, para já.