Diretor da Red Bull revela custo do acidente de Verstappen e visa a Mercedes

Verstappen sofreu acidente na primeira volta

 foto Reprodução Twitter/F1

O diretor acrescentou ainda que a Red Bull pondera pedir uma penalização mais dura para o piloto inglês da Mercedes

Foi na habitual coluna que Christian Horner assina no site da escuderia de Fórmula 1, que o diretor geral da Red Bull divulgou o custo monetário do acidente que envolveu Lewis Hamilton (Mercedes) e Max Verstappen (Red Bull Honda) na fase inicial do Grande Prémio da Gra-Bretanha, que decorreu em Silverstone no passado fim de semana.

Horner revelou que o impacto de um acidente desta dimensão - que custou à equipa cerca de 1,5 milhões de euros - no teto salarial que a Fórmula 1 introduziu em 2021 é enorme e considerou "desrespeitosos" os festejos de Hamilton no final da corrida.

O diretor acrescentou ainda que a Red Bull pondera pedir uma penalização mais dura para o piloto inglês da Mercedes. "Estou dececionado com as comemorações após o acidente. A Mercedes sabia da gravidade do acidente com o Max, já tinham a informação de que ele tinha sido hospitalizado e com necessidade de exames adicionais", Horner.

"Este foi o maior acidente que o Max teve na sua carreira de piloto e a primeira vez - e espero que última - que teve de ser hospitalizado. Quando o Max não conseguiu falar pelo rádio da equipa, o tempo parou", pode ainda ler-se no mesmo texto. "Vê-lo a sair do carro, ainda que atordoado e a precisar de apoio, foi uma sensação incrível", acrescentou.

"É inimaginável não informar o piloto sobre a situação, assim como não o proteger caso ele não se controle nas comemorações, principalmente quando foi punido pela envolvência no acidente", concluiu o dirigente da Red Bull, voltando a falar de Lewis Hamilton.