Benfica não vai à final four da Taça de Portugal

Benfica não vai à final four da Taça de Portugal

Clube da Luz explica a decisão através de comunicado.

O Benfica não marcará presença na final four da Taça de Portugal de hóquei em patins, este fim de semana em Gondomar, falhando a partida da meia-final com o FC Porto, agendado para as 18h30.

Uma semana depois de perder o campeonato, para o FC Porto, na última jornada, o clube da Luz explica esta posição radical com a arbitragem no jogo de sábado com o Sporting - golo anulado a João Rodrigues nos segundos finais - e com o comportamento da FPP (Federação Portuguesa de Patinagem) ao longo da temporada.

Num extenso comunicado publicado no site - intitulado "Indignação e protesto no hóquei" - , o clube informa que não estará em Gondomar. "Esta decisão da Direção do Sport Lisboa e Benfica justifica-se pela necessidade e urgência de se tomar uma posição clara que demonstre o estado de degradação que atingiu este ano a cúpula da modalidade e o total desacordo com alguns critérios - ou falta deles - da parte da direção da Federação Portuguesa de Patinagem (FPP) e dos órgãos que a compõem (Conselho de Arbitragem, Conselho de Disciplina e Conselho de Justiça)", pode ler-se.

Esclarecendo que a posição tomada "nada tem a ver com as outras três equipas que, de forma meritória, conquistaram o direito legítimo de competir, nesta fase final da prova", o Benfica defende que ao longo da temporada a equipa sentiu "o que muito dificilmente poderia jogar em igualdade de circunstâncias com outros competidores no Campeonato Nacional".

"Perante evidentes sinais de dualidade de critérios nos bastidores, decisões erradas em pista e sucessivas nomeações de árbitros difíceis de compreender, jogadores e equipa técnica levaram a definição do campeão até à última jornada, com assinalável resiliência e espírito competitivo. Mas infelizmente, o pior estava para acontecer", refere o comunicado, detendo-se depois no que sucedeu no Sporting-Benfica. "No decorrer do dérbi de Alverca - intenso, competitivo, uma autêntica final -, ficou clara a inexistência de imparcialidade em algumas decisões, quer para quem o viu no pavilhão quer para os muitos milhares que acompanharam as incidências da emotiva partida pela televisão. Algo que ficou bem expresso, pela forma como foi anulado de forma inexplicável, a poucos segundos do apito final, o golo que daria o 6-5 e muito provavelmente a conquista do 24.º Campeonato para o SLB".

O Benfica anuncia que apresentará, junto das entidades competentes, uma "vasta exposição" sobre todos estes temas, colocando até em causa o estatuto de utilidade pública da FPP. "Deverão analisar, entre outros aspetos relevantes, a viabilidade dos atuais órgãos da FPP e até a "utilidade pública" da mesma federação que, nas mais diversas áreas, continua a anos-luz dos principais clubes que compõem aquele que é considerado o melhor campeonato do mundo".

Recordando que ao longo da temporada tentou, junto das instâncias do hóquei em patins, "compreender as razões para o estranho critério de nomeação de árbitros", o Benfica critica a escolha da equipa de arbitragem para a meia-final deste sábado, ante o FC Porto.

"A anulação de um campeonato a 23 segundos do final, sem qualquer motivo para tal, é apenas o espelho de uma época em que nunca houve igualdade de circunstâncias", pode ler-se no final do extenso comunicado em que o Benfica pretende ainda deixar claro que esta posição não tem nada que ver com os rivais. "Que fique claro: tudo isto nada tem que ver com o FC Porto e a UD Oliveirense, cujas equipas lutaram arduamente pelo título nacional e que beneficiarão também, em igual medida ao SL Benfica, das evoluções positivas que se verifiquem nas estruturas que organizam as competições em Portugal".