"Tive várias propostas, mas precisava de regressar a um sítio onde fosse acarinhado"

"Tive várias propostas, mas precisava de regressar a um sítio onde fosse acarinhado"
Filipa Mesquita

Tópicos

A vitória no último jogo do campeonato motivou o plantel, mas o capitão Mário Freitas acredita que "ainda há muito para mostrar", com objetivo de "colocar o nome da equipa no topo".

Capitão de equipa e com experiência na Seleção Nacional, Mário Freitas é uma das referências do Fundão, onde está pela quarta temporada consecutiva, numa casa que já conhece de outros tempos. "Em 2017/2018, decidi regressar a um sítio onde, acima de tudo, me sinto feliz. Essa felicidade e esse carinho que se tem fora de campo pelo clube acaba por se traduzir lá dentro. Estou num dos maiores emblemas do futsal nacional", começou por dizer o ala.

Aos 30 anos, o internacional português já conta com uma vasta experiência na carreira. Para além do Fundão - clube onde está pela segunda vez -, o atleta também passou por emblemas como o Sporting e Benfica. "Foram experiências que me fizeram ser muito melhor jogador. Acima de tudo, tiro muitas lições positivas para o meu crescimento, não só como atleta mas como pessoa também. Foram experiências boas, e estou muito grato por as ter tido", confidenciou Mário Freitas.

Há quatro anos, quando regressou ao Fundão, o atleta teve outras propostas, mas o amor ao clube falou mais alto. "Na altura do meu regresso, tive várias propostas, inclusive do estrangeiro, mas senti que precisava de regressar a um sítio onde fosse acarinhado e me sentisse bem. E quando a proposta do Fundão surgiu, foi logo posta no topo das minhas preferências, porque era aquilo de que eu precisava. No clube também achavam que o meu regresso era aquilo que precisavam e, então, foi fácil chegar a um acordo. Estou praticamente em casa", contou.

Esta época, o Fundão está em 6.º lugar, com 28 pontos em 16 jornadas disputadas. Depois de uma série de resultados menos positivos - três jogos consecutivos sem vencer -, o clube encontrou o caminho para os triunfos na última jornada, frente ao Belenenses (3-1). Um momento que o ala considera crucial. "Sabíamos que era extremamente importante vencer no Belenenses. Começar a segunda volta com uma vitória era essencial para não deixarmos fugir o topo da classificação, e agora esperamos continuar na senda das vitórias", adiantou o jogador, fazendo assim um "balanço positivo da temporada".

Os golos têm sido uma das imagens de marca do atleta, no entanto, esta época até têm sido menos do que o habitual: sete. Ainda assim, Mário Freitas vê os números de outra forma. "A verdade é que não me importo de fazer menos golos, desde que a equipa esteja mais bem classificada. Noutras época se calhar tinha mais golos marcados, mas não estávamos tão bem no campeonato", confidenciou o jogador.

Para o que resta da temporada, os objetivos de Mário Freitas são ambiciosos e há qualidade no plantel para os atingir. "Somos uma equipa jovem que ainda tem muito para dar. Vamos trabalhar para colocar o nome do Fundão do topo do futsal nacional", concluiu.

A nostalgia de recordar conquistas
Numa carreira já longa, Mário Freitas somou alguns troféus importantes no panorama nacional: um campeonato (Sporting), três Taças de Portugal (Sporting, Fundão e Benfica) e duas Supertaças (Sporting e Benfica). Todos os momentos são recordados pelo jogador com muita nostalgia, mas há um em especial, por ter sido inédito na história do clube. "Todas as conquistas e troféus são obviamente importantes na minha carreira. Mas, sem dúvida, que recordo um: a Taça de Portugal conquistada pelo Fundão, em 2013/2014. É o que recordo com mais carinho, por todos os fatores. Por ser um clube do interior, e por todos sabermos que no panorama nacional o Benfica e Sporting ganham parte dos títulos, e por termos conseguido essa conquista diante de um dos grandes", confidenciou o atleta, que foi opção nessa partida.

A presença na Seleção Nacional
A chamada à Seleção Nacional já não é uma novidade e, recentemente, o atleta integrou a lista de convocados de Jorge Braz num estágio de preparação. Momentos que relembra com satisfação. "Todas as vezes que sou convocado para a Seleção Nacional - e, felizmente, já são algumas -, é sempre como se fosse a primeira vez. É um orgulho e uma felicidade enorme estar ao serviço de Portugal. É o expoente máximo que qualquer jogador, de qualquer modalidade, pode sentir. Eu continuo a trabalhar com o objetivo de estar presente em todas as convocatórias", contou Mário Freitas.