Jorge Braz: "O que nos faz bater o coração mais forte é representar Portugal"

Jorge Braz: "O que nos faz bater o coração mais forte é representar Portugal"
Redação com Lusa

Tópicos

Jorge Braz quer Portugal focado em si mesmo frente à Tailândia na estreia do Mundial de futsal.

O selecionador Jorge Braz entende que a chave do encontro de estreia no Mundial de futsal passa por Portugal focar-se mais no seu jogo do que na "difícil" Tailândia, opinião partilhada pelo jogador Erick Mendonça.

O treinador português, de 49 anos, apontou como pontos fortes do conjunto tailandês a organização e objetividade, numa altura em que Portugal já tem "muita vontade de iniciar a competição" e "mostrar aos portugueses" o que quer fazer em solo lituano.

"[A Tailândia] É uma equipa organizada, objetiva e que sabe muito bem o que faz. Nós cá estaremos para fazer o que temos de fazer. Isso é que me parece que vai ser a chave do jogo", sublinhou aos jornalistas, na zona mista da Zalgiris Arena, em Kaunas.

Contudo, Jorge Braz frisou que a valia do adversário "não assusta", pois a preocupação assenta, sobretudo, nos processos próprios, garantindo a equipa pronta para a prova.

"Geralmente, consegue-se ter sucesso quando somos competentes, embora haja sempre o adversário, que é extremamente organizado e que sabem muito bem o que fazem, mas não assusta. Estamos preocupados connosco e com o que nós temos de fazer. Estamos prontos para a competição", asseverou o técnico, no cargo desde 2010.

Portugal treinou pela primeira vez no "palco" da partida no sábado, num clima de "vontade, alegria e felicidade", que Jorge Braz entende como "um bom sinal", ao passo que Erick Mendonça realçou que ter o pavilhão cheio não irá atormentar a equipa lusa.

"O que nos faz bater o coração mais forte é estarmos na competição que estamos e representar Portugal. Se for com 10, 15 ou 11.000 pessoas, quero acreditar que isso não vai mexer connosco, pelo menos de forma negativa. Todos os jogadores que aqui temos, felizmente, já estão habituados a grandes palcos", disse o jogador, de 26 anos.

Depois de uns primeiros dias "um bocado cansativos" em Kaunas, Erick Mendonça contou que o plantel já está ambientado, esperando "um jogo difícil" na segunda-feira, frente à Tailândia, apesar de o rival "não ser um nome tão sonante" da modalidade.

"A Tailândia já está no panorama mundial e asiático há muito tempo. Certamente, podemos esperar uma Tailândia difícil, mas não duvido, nem por um segundo, de que vamos começar com o pé direito", expressou o universal, que representa o Sporting.

Para iniciar o Mundial com uma vitória, Erick Mendonça partilhou a mesma opinião de Jorge Braz: "Principalmente, é não nos focarmos tanto neles e mais em nós. É sermos nós próprios. Temos uma seleção mais do que capacitada para defrontar qualquer equipa e acho que essa é a "chave", não nos intimidarmos e sermos nós próprios", assinalou.

O jogo com a Tailândia, que marca a estreia de Portugal na prova, realiza-se na segunda-feira, às 20:00 locais (18:00 em Portugal continental), na Zalgiris Arena, em Kaunas, que recebe também o jogo com as Ilhas Salomão, na quinta-feira.

O último encontro do Grupo C, com Marrocos, joga-se na Svyturio Arena, em Klaipeda, em 19 de setembro.