Bebé volta à Seleção, vive uma "felicidade tremenda" e promete "atrapalhar escolhas"

Bebé volta à Seleção, vive uma "felicidade tremenda" e promete "atrapalhar escolhas"
Redação

Tópicos

Guardião, 121 vezes internacional por Portugal, foi chamado por Jorge Braz para os confrontos com a Noruega, relativos ao apuramento para o Euro'2022. Defesa da camisola das Quinas nas duas próximas grandes competições é ambição

Ausente da Seleção desde 2019, o guardião Bebé, atualmente com 37 anos e ao serviço dos Leões de Porto Salvo, foi o rosto que suscitou maior curiosidade, esta segunda-feira, no primeiro treino da equipa das Quinas antes de enfrentar a Noruega.

O experiente futsalista, um dos vencedores do Campeonato da Europa de 2018 por Portugal, foi incluído pelo selecionador Jorge Braz na mais recente convocatória lusa para disputar os últimos dois duelos de qualificação para o Euro'2022.

Em declarações à Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Bebé começou por traduzir em palavras as sensações tidas face ao regresso, dois anos depois, à Seleção nacional, cuja camisola vestiu pela primeira vez em 2005 - seguiram-se mais 120.

"Voltei com uma felicidade tremenda e uma alegria muito grande, pois gosto muito de estar aqui e de fazer parte dos escolhidos do mister Jorge Braz. Sente-se uma nostalgia muito grande, mas também é um orgulho muito grande porque acabamos por perceber que, por um lado, estamos a dar espaço para a nova geração", afirmou o "segundo mais velho do grupo".

O guardião dos Leões de Porto Salvo, clube no qual atua desde 2017, após onze anos de ligação ao Benfica, considerou, na mesma entrevista à FPF, que o futuro da Seleção nacional está mais bem garantido em comparação com o passado.

"Vejo um futuro muito promissor e no treino [desta manhã] comentei isso com o Vítor Hugo. Estes mais novos acabam por ser jogadores que vêm das seleções de base, algo que não havia quando eu tinha a idade deles, e são atletas muito mais preparados e com um conhecimento muito melhor do jogo", referiu Bebé.

Abordado o simbolismo por mais uma presença no seio da Seleção nacional, o experiente guarda-redes apontou depois a atenção aos dois encontros decisivos com a congénere Noruega, relativos à qualificação para o Campeonato da Europa de 2022.

"Aquilo que nós temos de fazer é como o mister diz: "fazer as coisas simples, bem feitas". O mais difícil, às vezes, é jogar contra estas seleções que, em termos teóricos são mais fracas do que nós, mas acabam por equilibrar o jogo em termos físicos. Descaracterizam muito o jogo, com muitas bolas para a frente, do guarda-redes para o pivô, e isso cria-nos dificuldades", afirmou Bebé.

O guardião acrescentou ainda que a equipa de Jorge Braz deve, para tentar bater a formação nórdica na próxima semana, "manter a união, o sacrifício e, principalmente, o espírito de equipa, presente no ADN da seleção", cujos jogadores estão "muito bem fisicamente".

Bebé, que vai disputar o lugar na baliza com Edu e Vítor Hugo, para somar mais duas internacionalizações, garantiu muita dedicação para cumprir o desejo de estar junto dos melhores futsalistas nacionais nas próximas grandes competições.

"Tenho um prazer muito grande de estar aqui e o meu objetivo é mesmo atrapalhar as escolhas do mister Jorge Braz. Vou fazer tudo para estar no Mundial [2021] e no Europeu [2022. Se depender de mim estarei lá, mas sei que os meus colegas também têm muita qualidade. Vou trabalhar arduamente e cegamente para poder estar no lote dos convocados finais", assinalou o guardião.

Portugal, seleção campeã europeia em título, está a preparar o duplo embate com a Noruega, que se realizará no Pavilhão Municipal da Torre da Marinha, no Seixal, em 12 e 14 de abril.

Os dois desafios dos futsalistas portugueses frente aos rivais nórdicos são relativos ao grupo 8 de qualificação para o Euro'2022, que lidera, com oito pontos em quatro jogos.