Vuelta: Marczynski ganha etapa e Van Garderen perde tempo

Vuelta: Marczynski ganha etapa e Van Garderen perde tempo

O melhor português na tirada foi Ricardo Vilela (Manzana Postobón) que entrou no grupo do camisola vermelha, em 16.º. Como consequência disso, mantém o atraso de 12.25 para Froome, só que dá um salto na tabela, de 53º para 37º.

O polaco Tomasz Marczynski (Lotto-Soudal) foi o mais rápido de um sprint a três, esta quinta-feira, no final da sexta etapa da Volta a Espanha em bicicleta, em Sagunto, em que o norte-americano Tejay van Garderen, segundo da geral, perdeu algum tempo.
O líder da BMC caiu por duas vezes nas descidas e perdeu na meta 20 segundos para o britânico Chris Froome (Sky), agora reforçado líder da geral individual.
O destaque negativo, em termos de portugueses em prova, vai para a desistência de José Gonçalves (Katusha Alpecin), vítima de queda que o deixou visivelmente combalido, tendo mesmo ido ao hospital para ser avaliada a gravidade da lesão. O ciclista seguia em 180º na geral.
A ligação de 204,4 quilómetros, entre Villarreal e Sagunto, já na Comunidade Valenciana, foi uma tirada de média montanha, com quatro contagens de terceira e uma de segunda, que provocou a divisão do pelotão grande em vários grupos de tamanho intermédio ou mesmo pequeno.
Um trio chegou com algum avanço à meta, em 4:47.02 horas, e aí Marczynski foi mais rápido do que o compatriota Pawel Poljanski (Bora-Hansgrohe), segundo, e o espanhol Mas Henric (Quick Step), terceiro.
Dois ciclistas chegaram oito segundos depois, e a 26 entrou um primeiro pelotão, de 18 unidades, entre os quais o britânico Chris Froome (Sky), que manteve a camisola vermelha de líder da classificação geral, reforçando a vantagem para o segundo, que agora é o colombiano Esteban Chaves (Orica-Scott), a 11 segundos.
Com Froome entrou também o irlandês Nicolas Roche (BMC), que sobe a terceiro, a 13 segundos, além dos italianos Fabio Aru (Astana) e Vincenzo Nibali (Bahrain Merida) e do espanhol Alberto Contador (Trek-Segafredo), entre outros.
O perdedor do dia, Van Garderen, desce para quarto, a 30 segundos de Froome, mantendo ainda aspirações de uma boa classificação final. De qualquer forma, excelente trabalho do norte-americano na tentativa de recuperação, a reduzir as perdas para valores aceitáveis.
O melhor português na tirada foi Ricardo Vilela (Manzana Postobón) que entrou no grupo do camisola vermelha, em 16.º. Como consequência disso, mantém o atraso de 12.25 para Froome, só que dá um salto na tabela, de 53º para 37º.
Rui Costa (UAE Team Emirates) e Nelson Oliveira (Movistar) entraram no segundo grupo, a 43 segundos de Marczynski, e assim conseguiram igualmente subir alguns 'furos' na geral.
Rui Costa, que era 21º, ascende a 18º, com um atraso agregado de 2.52. Nelson Oliveira teve uma variação muito parecida e sobe de 24º para 21º, a 3.02.
Rafael Reis (Caja Rural) foi hoje o 172.º, a 23.11. Na geral, mantém o 184.º lugar, a 1:03.12.
Na sexta-feira, o pelotão volta a enfrentar uma etapa de média montanha, nos 207 quilómetros que vão ligar Llíria a Cuenca.