"Vi uma bandeira de Portugal a 100 metros e não hesitei em atirar um beijo"

"Vi uma bandeira de Portugal a 100 metros e não hesitei em atirar um beijo"
Redação com Lusa

Tópicos

Senhora da Graça foi o dia do tudo ou nada e das recordações inesquecíveis para Marque.

Alejandro Marque queria chegar ao pódio da 83.ª Volta a Portugal e, por isso, este domingo lutou como nenhum outro ciclista na etapa da Senhora da Graça, a penúltima desta edição, da qual levará momentos inesquecíveis.

"Hoje tinha que ser o tudo ou nada. Para mim, fazer quarto ou quinto era indiferente, queria meter-me no pódio e lutei por isso", confessou à agência Lusa o campeão da Volta de 2013.

Alex atacou a mais de 40 quilómetros da meta, depois da sua Atum General-Tavira-Maria Nova Hotel endurecer a corrida na subida ao Barreiro, teve uma avaria, foi forçado a perseguir, mas voltou novamente a atacar na descida até Mondim de Basto, sendo alcançado a 19 quilómetros do final. "Hoje, também quis fazer o que a minha cabeça me ditava: ciclismo de ataque", pontuou.

Mas o azar, que o apanhou tantas vezes na sua carreira e também na quinta etapa, quando furou em plena subida ao Observatório de Vila Nova, voltou este domingo a marcar presença, para desespero do galego de 41 anos. "Senti impotência, porque tínhamos feito uma movimentação boa para selecionar [o grupo de favoritos] e vi que aquilo podia ir tudo abaixo. Não duvidei e decidi ir a top para poder continuar com o grupo principal", recordou, em declarações à Lusa.

Apesar de não ter concretizado o seu plano, Marque despediu-se da Senhora da Graça como um herói, com a sua chegada à meta a ser um dos momentos mais emocionantes desta Volta. "Foi muito especial toda a gente a gritar o meu nome. Vi uma bandeira de Portugal a 100 metros e não hesitei em atirar um beijo de agradecimento. Ao cortar a meta, foi algo inesquecível as pessoas a bater palmas, isso para mim foi dos melhores momentos", revelou.

O galego, que ao cortar a meta vinha de sorriso no rosto, falou ainda da "pequena homenagem" que teve à partida, que o deixou "com um sentimento de tristeza", por deixar "muita boa gente".

Marque é quinto na Volta a Portugal, a 04.19 minutos do camisola amarela Frederico Figueiredo (Glassdrive-Q8-Anicolor), e está a mais de dois minutos de Luís Fernandes (Rádio Popular-Paredes-Boavista), o terceiro classificado.