Tour: Cavendish está "muito cansado" mas promete continuar em prova até Paris

Tour: Cavendish está "muito cansado" mas promete continuar em prova até Paris
Redação com Lusa

Tópicos

Ciclista britânico admite dificuldades físicas após a 11.ª etapa.

O ciclista britânico Mark Cavendish (Deceuninck-QuickStep) confessou esta quarta-feira que prometeu ao diretor da Volta a França que não vai abandonar a prova, apesar das dificuldades sentidas para chegar dentro do controlo nas etapas de montanha.

Depois de, no domingo, ter chegado ao alto de Tignes, em lágrimas, a pouco mais de um minuto do fecho do controlo, hoje o corredor de 36 anos teve uma jornada mais tranquila, apesar da dupla ascensão ao Mont Ventoux, cortando a meta sete minutos antes do tempo estipulado para finalizar a 11.ª tirada e 40.40 minutos depois do vencedor, o belga Wout van Aert (Jumbo-Visma).

"Sabíamos que não ia ser tão próximo do limite do controlo como no domingo, mas também sabíamos que tínhamos de passar todo o dia concentrados para evitá-lo. Os meus companheiros estiveram comigo, a ajudar-me nas subidas e nas descidas", notou "Cav", que na 11.ª tirada foi "escoltado" pelo seu habitual lançador, o dinamarquês Michael Morkov, e ainda por Davide Ballerini, Tim Declercq e Dries Devenyns.

O camisola verde, que na quinta-feira poderá igualar o recorde de vitórias do belga Eddy Merckx (34), no final da ligação de 159,4 quilómetros entre Saint-Paul-Trois-Châteaux e Nîmes, confessou estar "muito cansado".

"Suponho que o estamos todos. Fiz muitas Voltas a França e garanto que esta está a ser uma das mais duras", disse o sprinter britânico, a cumprir a sua 13.ª participação na "Grande Boucle".

Cavendish revelou ainda que deu a sua palavra ao diretor da prova, Christian Prudhomme, que não abandonará a 108.ª edição do Tour, que termina em 18 de julho, em Paris.

"Expliquei-lhe que amo esta corrida. Sou um homem de palavra, pelo que não penso desistir: continuarei a lutar tudo o que puder", assegurou.

O segundo ciclista mais vitorioso da história da Volta a França lembrou ainda que, lá por ter vencido três etapas até ao momento nesta edição, não é garantido que celebre novo triunfo na quinta-feira, porque "não é fácil" ganhar.