Rúben Guerreiro elogia João Almeida: "Não temos muito tempo para redes sociais"

Rúben Guerreiro elogia João Almeida: "Não temos muito tempo para redes sociais"

Em mais do que um dos 15 dias em que andou de rosa, João Almeida contou com a ajuda de Guerreiro, ou a fechar o espaço para potenciais ataques ou, como esta quinta-feira, após ser alcançado pelo grupo dos favoritos, depois de andar em fuga.

O português Ruben Guerreiro (Education First) disse à Lusa que a Volta a Itália em bicicleta, na qual venceu uma etapa e garantiu virtualmente a classificação da montanha, é "um sonho" e que "melhor era quase impossível".

Em mais do que um dos 15 dias em que andou de rosa, João Almeida contou com a ajuda de Guerreiro, ou a fechar o espaço para potenciais ataques ou, como esta quinta-feira, após ser alcançado pelo grupo dos favoritos, depois de andar em fuga.

"Mesmo não sendo da minha equipa, ia pensando no João, como é que ele estava. Percebi que não estava bem, mas eu estava com muito pouca força. Tentei perguntar-lhe se precisava de alguma coisa... uma ajudinha é melhor que nada", desabafou.

Mesmo não sendo da mesma equipa, Guerreiro não se coíbe de elogiar a "excelente pessoa e um amigo" que encontrou no ciclista de 22 anos, que está a fazer uma corrida "simplesmente espetacular".

"É uma motivação para mim. [...] Tocou-me tudo o que tem feito, mesmo hoje, perdendo a camisola rosa, é uma demonstração de força, e ele tem de estar muito orgulhoso", comentou.

Almeida, agora quinto na geral, também liderou nesses dias a classificação da juventude, o que significa que Portugal ocupou, durante largos dias, três das quatro principais classificações da "corsa rosa': geral, juventude e montanha, com apoio mútuo dos compatriotas.

"Sempre, sempre. Na partida era uma festa. Trocávamos mensagens, e tentava, quase como irmão mais velho, porque ele vai a fazer as primeiras corridas WorldTour, motivá-lo. Ele é muito seguro de si, tem experiência e sabe o que quer, mas tentava motivá-lo, dizer-lhe para ter calma, ir pouco a pouco, sem pensar muito. Acho que ele correu bastante bem", analisou.

Este Giro fica na história como o que mais tempo teve um português como líder, um recorde também das grandes Voltas, e como tendo consagrado o primeiro luso campeão de uma classificação individual nas três principais provas, mas, quando questionado sobre um novo estatuto no desporto português, Ruben Guerreiro não "arrisca'.

"Vamos lá chegar primeiro a Milão, e depois... ainda não nos passou pela cabeça, praticamente descansamos e vamos para a batalha, não temos muito tempo para redes sociais, está fora do nosso alcance [o impacto que tem tido em Portugal]. Espero que tenham gostado da corrida e tenham ficado muito orgulhosos", rematou.