Alarcón e Marque sem notificação por valores anormais no passaporte biológico

Alarcón e Marque sem notificação por valores anormais no passaporte biológico
Carlos Flórido/Frederico Bártolo

Tópicos

Duo não está a ser investigado por possíveis valores anormais no passaporte biológico

Raúl Alarcón (W52-FC Porto) e Alejandro Marque (Sporting-Tavira) não foram notificados sobre qualquer valor anómalo no passaporte biológico, como havia sido noticiado.

As autoridades antidopagem em Espanha estão a apertar o controlo no ciclismo, isto depois de a Burgos-BH ter sido suspensa pela UCI, mas não é verdade que o duo do pelotão nacional esteja sob vigilância. A O JOGO, o vencedor das últimas duas edições da Volta a Portugal desmente qualquer investigação.

"É tudo mentira, não se passa nada. Já contactei a Agência de Antidopagem espanhola, que disse não ter qualquer investigação. Aguardo que a agência me envie essa confirmação por escrito para na segunda-feira contactar um advogado. Não é possível criar-se assim uma suspeição", afirmou.

Mesmo que qualquer ciclista apresente valores anómalos nos passaportes biológicos tem o direito de se justificar medicamente, como fez o dragão Rui Vinhas após ter sido detetada a betametazsona na Volta a Portugal. No caso do duo não se coloca o cenário de penalização ou suspensão. Alejandro Marque também reagiu mas em comunicado: "Venho por este meio desmentir qualquer notificação ou sanção. Peço respeito."

Tanto Sporting-Tavira como a W52-FC Porto viram com desagrado este ataque e Nuno Ribeiro, diretor desportivo dos dragões, falou a O JOGO: "Isto é uma perseguição ao ciclismo." Os azuis e brancos têm até o processo de César Fonte resolvido e o corredor regressa hoje à competição, no Memorial Bruno Neves.