Pura paixão pelo ciclismo: São Pedro do Sul recebe GP O JOGO com a Volta na mente

Pura paixão pelo ciclismo: São Pedro do Sul recebe GP O JOGO com a Volta na mente
Paula Capela Martins

Tópicos

Abrindo em Castro Daire, o GP OJOGO segue para São Pedro Sul: a terra da subida da serra da Arada, que se estreia nesta competição. O contexto é difícil, mas o concelho mostra-se pronto para novos desafios.

São 64,1 km de etapa, com a subida da serra da Arada, que colocam São Pedro do Sul na rota da nona edição do Grande Prémio O JOGO/Leilosoc. A região, conhecida pelas termas e pelos percursos pedonais homologados, muito procurada por praticantes de BTT e trail, "gosta muito de ciclismo e de acolher a modalidade". Quem o afirma é Pedro Mouro, vereador do desporto da Câmara Municipal de São Pedro do Sul, explicando a escolha desta corrida como "veículo publicitário", com um "investimento aproximado de 20 mil euros e um retorno muito significativo".

"Estamos a fazer um conjunto de iniciativas de promoção das nossas terras. Este não é um gasto, mas um investimento com retorno imediato e futuro", refere, sublinhando que São Pedro do Sul "é um concelho que já teve muito pergaminhos no acolhimento de provas desportivas, nomeadamente no ciclismo, porque tem condições particulares para a realização deste tipo de provas". Dispondo de um conjunto de infraestruturas que "asseguram a boa estadia de todos os participantes, com uma área imensa de serra e estradas propícias à prática de provas de ciclismo", a região permite "ter provas de montanha de primeira categoria".

Pedro Mouro recorda que "São Pedro do Sul é um território imenso, com uma área de 350 km2", que permitirá "uma etapa com partida e chegada a desenrolar-se sempre dentro do concelho". O percurso "parte do centro, dá a possibilidade de passar pelo interior das termas e percorrer toda a zona da serra com montanha de primeira categoria, subindo praticamente aos mil metros de altitude, à zona de São Macário, voltando a descer em direção ao centro, onde acaba a etapa", descreve Mouro, que vê no desporto uma forma de reanimar a região afetada pela pandemia: "O concelho é muito vocacionado para a atividade turística. Temos mais de 1800 camas disponíveis. O setor tem passado um período muito difícil e é nosso propósito, à semelhança de outros anos, apostar num conjunto de eventos desportivos e dinamização turística que possibilitem a promoção e valorização do território".

"Eclético" é a palavra encontrada pelo autarca para se referir ao concelho em termos desportivos, destacando o hóquei em patins do Termas HC, o andebol da AC São Pedro do Sul e a ginástica da Associação de Educação Física de São Pedro do Sul.

"Muito procurado por ciclistas profissionais, que fazem estágios e treinos durante muitas semanas", São Pedro do Sul quer ser referência no "desporto sustentável", usufruindo do cenário serrano, por onde já passaram os ciclistas do Grande Prémio Abimota e por onde pode um dia passar a Volta a Portugal, pois ter a Grandíssima é uma das ambições de Pedro Mouro, responsável pelo desporto há sete anos.

Volta a Portugal no horizonte

Em novembro, São Pedro do Sul terá o Europeu de trail e trabalha ainda numa agenda com outras modalidades, depois de "a covid-19 ter parado tudo, com danos irreparáveis para as crianças e jovens". O concelho "quer desportos motorizados e tem todo o interesse em voltar aos campeonatos regionais de ralis", mas a Volta a Portugal em bicicleta é a meta: "Temos vindo a tentar, embora seja um custo elevado. Estávamos a negociar com a organização quando se deu a pandemia, mas vamos insistir". Até lá, caminhadas, BTT, ciclismo e trails são apostas para devolver gente ao concelho.