Portugueses extraordinários - 2º lugar: João Almeida e um Giro para história

Portugueses extraordinários - 2º lugar: João Almeida e um Giro para história
Carlos Flórido

Tópicos

O JOGO selecionou 12 atletas e equipas como autores das maiores proezas do ano e os leitores votaram nas suas preferidas em www.ojogo.pt. João Almeida, ciclista da Deceuninck-Quick Step conquistou o segundo posto com 13,7 por cento dos votos.

A 5 de outubro, e poucas horas antes de Amaro Antunes ser consagrado em Lisboa como vencedor da Volta a Portugal, João Almeida era 11.º no alto do Etna, e vestia a camisola rosa da Volta a Itália. O jovem português beneficiava do segundo lugar no contrarrelógio de abertura do Giro e era a surpresa da corrida. A liderança foi-se mantendo e uma semana depois, na subida ao Roccaraso, a revelação da Deceuninck-Quick Step continuava a defender a rosa com êxito e Rúben Guerreiro, o outro português que alinhava na corrida italiana, vencia a etapa e ficava a liderar a montanha. Para um país com pouca tradição nas maiores corridas mundiais, o feito era único.

Até ao final do Giro, o entusiasmo dos portugueses foi em crescendo. A dos Francos, a localidade natal do jovem de 22 anos, pintou ruas de rosa e foi visitada por todas as televisões. Almeida, líder entre a 3.ª e a 17.ª etapas, só perdeu o comando quando teve de subir o Stelvio, uma das mais imponentes montanhas do ciclismo mundial, com 24,8 km e o topo a 2746 metros de altitude. Respondendo na subida a Sestriere e no contrarrelógio de Milão, ainda recuperou até quarto, a melhor posição de sempre de um português no Giro e segunda de um ciclista nacional em Grandes Voltas, depois de Joaquim Agostinho (segundo na Vuelta, e duas vezes terceiro no Tour). O britânico Tao Geoghegan Hart ganhou o Giro, mas Portugal ganhou um corredor capaz de lutar pelas gerais, algo que faltava precisamente depois de Agostinho e José Azevedo, este quinto no Giro (2001) e no Tour (2004).

"É algo com que nunca sonhei. O meu objetivo inicial era entrar no top 10, superei tudo", disse Almeida, que bateu o recorde de dias na liderança (15) de uma edição do Giro para um sub-23, depois de ter alinhado para substituir o lesionado Remco Evenepoel. O seu sonho é voltar a vestir de rosa, mas da próxima podendo "erguer os braços a festejar uma boa vitória".

>> Ciclismo
João Almeida
Deceuninck-Quick Step
22 anos | A dos Francos
>> Feitos em 2020
Quarto na Volta a Itália, recorde de dias de rosa (15) para um sub-23
>> Ambição para 2021
Repetir o feito no Giro ou lutar pelo top 10 no Tour