"Pistards" portugueses estão perto dos Jogos Olímpicos

"Pistards" portugueses estão perto dos Jogos Olímpicos

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Frederico Bártolo

Tópicos

Para um país que só tem velódromo há 10 anos será um feito levar a Tóquio"2020 pelo menos um homem e ainda a revelação Tata Martins

O segundo lugar de Maria Martins no omnium feminino da terceira etapa da Taça do Mundo em Hong Kong foi só mais uma confirmação do talento português na pista, embora graças a atletas que têm no ciclismo de estrada a sua profissão. Portugal cresceu muito nos últimos três anos e está perto de se estrear nos Jogos, podendo fazê-lo no omnium feminino e masculino, com Maria Martins e, presumivelmente, Rui Oliveira. A presença no Madison em Tóquio"2020 seria também alcançada neste momento, pois é de Portugal a última vaga (16.º), mas segue mais apertada, devido à lesão que afastou Ivo Oliveira seis meses. O apuramento para o Mundial é decisivo para a pontuação final.

Neste momento, Tata Martins, uma menina de 20 anos, está a fazer sonhar: com 13 vagas disponíveis, Portugal é 14.º no ranking, mas ainda sem contabilizar o resultado de Hong Kong e, como as sete primeiras equipas de Madison não se incluem no apuramento, na realidade Portugal seria nono. No masculino, o 17.º posto, e existindo seis equipas apuradas pelo Madison, vale a 11.ª vaga. Ou seja, se o apuramento fechasse neste momento - é feito pelo ranking de 2 de março -, Portugal teria os dois omniums.

"O apuramento não está perfeito nem seguro, mas estamos num bom caminho. E nem pensávamos nisto em 2017 e 2018. Na altura nem estávamos nos oito primeiros, nem qualificados para os Mundiais em Madison. Parece fácil, mas a equipa nem é feita de pistards, mas sim de corredores de estrada", lembrou Rui Oliveira a O JOGO. À amiga Tata, Rui deixa os maiores elogios: "É um fenómeno. Sendo sub-23, está a discutir Taças do Mundo. Está perto dos Jogos. Tem gerido a responsabilidade de ser a única a pontuar para Portugal."

A evolução portuguesa é assinalável se pensarmos que, ao contrário de outras seleções, a rotação é curta e que só existe uma pista, a do Centro de Alto Rendimento de Anadia, com um velódromo inaugurado há dez anos.