João Almeida: "Fiquei surpreendido comigo mesmo, foi sempre a todo o gás"

João Almeida: "Fiquei surpreendido comigo mesmo, foi sempre a todo o gás"
Redação com Lusa

Tópicos

Num dia, com mais de 5.000 metros de desnível de subida, o maior registo deste ano no Giro, em que o checo Jan Hirt (Intermarché-Wanty-Gobert Matériaux) venceu a solo,

João Almeida (UAE Emirates) afirmou esta terça-feira que vai "a lutar até ao fim" pela vitória na Volta a Itália, após conservar o terceiro lugar, mas perder segundos para os adversários diretos na 16.ª etapa.

"Foi um dia muito difícil. Fiquei surpreendido comigo mesmo, foi sempre a todo o gás, o dia todo, sem pausas. Nas últimas duas Voltas a Itália, não fiz etapas assim, com montanhas super grandes e muito duras. Estou muito feliz com a minha performance e o resultado. Continuaremos a lutar até ao fim", declarou aos jornalistas, após o final da etapa em Aprica.

"Hoje foi muito difícil, para ser sincero fiquei surpreendido comigo mesmo. Desde o início fomos a todo vapor e não houve nem um momento para respirar. Sobretudo nas últimas duas montanhas. Não me lembro de ter enfrentado subidas tão exigentes e etapas tão duras, por isso estou muito feliz com a minha prestação e com o meu resultado, vamos continuar a lutar até ao fim", insistiu o português.

"Obviamente, tenho a camisola rosa como um objetivo. Será muito difícil porque os meus rivais foram muito fortes hoje, mas ainda estou bem colocado na classificação, um minuto atrás do melhor. Mal posso esperar para fazer o próximas etapas. Estou feliz comigo mesmo. Tenho que seguir em frente e ver até onde posso ir", concluiu o líder da classificação da juventude.

Num dia, com mais de 5.000 metros de desnível de subida, o maior registo deste ano no Giro, em que o checo Jan Hirt (Intermarché-Wanty-Gobert Matériaux) venceu a solo, a etapa rainha foi um teste de força e determinação para o ciclista português, que perdeu tempo, mas segue em terceiro na geral.

Nas contas da geral, Hindley bonificou e aproximou-se da liderança do equatoriano Richard Carapaz (INEOS), hoje quarto, que tem apenas três segundos de vantagem, com João Almeida, oitavo na etapa a 1.38, a segurar o terceiro posto, mas a perder tempo, ficando agora a 44 do líder. O espanhol Mikel Landa (Bahrain Victorious) aproximou-se do português, e é quarto a 59 do primeiro.