Volta ao Algarve: Jakobsen triunfa após uma grande queda

Volta ao Algarve: Jakobsen triunfa após uma grande queda

Corredor da Deceuninck-Quick Step abriu a sua época com um triunfo, mas beneficiou do azar que a sete quilómetros de Lagos deixou quase todo o pelotão parado.

A Volta ao Algarve abriu com o triunfo de Fabio jakobsen, da Deceuninck-Quick Step, e um verdadeiro golpe de teatro, a queda que a sete quilómetros deixou cerca de meia centena de corredores isolados na frente, retardando já muitos dos candidatos ao triunfo final.

O holandês da equipa que mais triunfos consegue - e o de hoje foi o nono da Deceuninck esta época - bateu Arnaud Démare (Groupama-FDJ) e Pascal Ackermann (Bora) no sprint que finalizou os 199,1 km entre Portimão e Lagos, tendo o trio superado Simone Consonni (UAE Emirates), que arrancou muito cedo para a meta.

Entre os candidatos à conquista da Volta ao Algarve, a Sky conseguiu manter Wout Poels e David de La Cruz na frente, enquanto a Deceuninck também teve Enric Mas. As equipas portuguesas terão sido das mais prejudicadas pela queda.

A etapa ficou inicialmente marcada por uma longa fuga de um quinteto nacional, que se isolou logo ao quarto quilómetro: Pedro Paulinho (Efapel), David Ribeiro e Marvin Scheulen (LA Alumínios-LA Sport), José Mendes (Sporting-Tavira) e Rafael Lourenço (UD Oliveirense/InOutBuild), que chegaram a rolar com 4m10s de vantagem sobre o pelotão.

O famalicense David Ribeiro, da LA Alumínios, venceu a contagem de montanha de terceira categoria e foi o primeiro a vestir a camisola azul, enquanto as metas volantes se repartiram.

A fuga acabou por ficar reduzida ao leão José Mendes, que foi apanhado depois de Aljezur, fugindo logo Sérgio Paulinho e Antonio Angulo, ambos da Efapel, que resistiram até aos quilómetros finais, sendo alcançados quando a corrida ainda tinha mais 23.